28 de setembro de 2017 às 18:36

Escola do Chimarrão traz cultura e arte para a Expo São Luiz

Pedro Schwengber, diretor do Instituto Escola do Chimarrão. Fotos: Genaro Caetano/Rádio São Luiz

Pela primeira vez presente na Expo São Luiz, por meio da iniciativa do Sistema Fecomércio SESC/Senac, a unidade móvel do Instituto Escola do Chimarrão, cativa o público que visita a feira são-luizense, com uma decoração caprichada e ensinamentos sobre diferentes formas de se fazer um mate. O estande também oferece água quente e erva mate de graça para os visitantes.

Quem comanda a equipe da Escola do Chimarrão é o diretor executivo Pedro José Schwengber. Entrevistado pela reportagem da Rádio São Luiz, ele falou sobre a ótima recepção que teve – e está tendo – nesta primeira vez que visita a Expo São Luiz.

O pessoal da caravana da Escola do Chimarrão também se impressionou pela organização da feira, que apresenta uma estrutura convidativa e confortável para os expositores.

Cartaz mostra os 36 tipos de chimarrão disponíveis

Sobre o Instituto

O Instituto Escola do Chimarrão é uma ONG. Sediada em Venâncio Aires, a entidade tem por objetivo incentivar a cultura e o apelo social do chimarrão, além dos aspectos medicinais desta planta tão especial para os gaúchos.

No estande os visitantes podem escolher entre 36 modelos diferentes de chimarrão para preparar – o mate pode ser feito pelos próprios visitantes ou pela equipe de expositores.

A seguir, algumas propriedades da erva-mate:

Digestiva;

Contém vitaminas A, B1, B2, C e E;

Vaso-dilatador, atua sobre a circulação, acelerando o ritmo cardíaco;

Auxiliar no combate ao colesterol ruim (LDL);

Rica em flavonoides (antioxidantes vegetais), duas vezes mais potentes que os do vinho, que protegem as células e previnem o envelhecimento precoce;

Contém cálcio e vitaminas que previnem a osteoporose;

Rico em fibras que  contribuem para o bom funcionamento do intestino;

Segundo o Instituto Pasteur (França), não existe outra planta que se iguale em à erva-mate em suas propriedades e seu valor nutricional.

Por Genaro Caetano/Rádio São Luiz