9 de setembro de 2017 às 08:49

Uso do pisca: manobra simples esquecida por muitos condutores

Todo condutor habilitado aprendeu no Centro de Formação de Condutores a importância e obrigação de ligar o pisca (seta indicadora de direção) quando for mudar de direção. Infelizmente, ainda existem condutores que não cumprem a determinação do artigo 35 da Lei 9.503/97 (Código de Trânsito Brasileiro):

Art. 35. Antes de iniciar qualquer manobra que implique um deslocamento lateral, o condutor deverá indicar seu propósito de forma clara e com a devida antecedência, por meio da luz indicadora de direção de seu veículo, ou fazendo gesto convencional de braço.

Nunca é demais relembrar que a seta indicadora ou gesto de braço (que é pouco utilizado pelos condutores de veículos automotores, pois já possui a luz própria pra isso, mas bastante utilizada pelos ciclistas, cuja seta indicadora inexiste na bicicleta) é a única forma de comunicação visual que você pode utilizar para informar os demais condutores, pedestres, ciclistas, etc, qual a sua intenção de manobra.

O que muitas pessoas parecem ter esquecido é que a seta indicadora de direção (pisca-pisca) deve ser acionada ANTES de QUALQUER manobra que implique em mudança de direção do veículo, não apenas quando vai dobrar em uma esquina, mas também quando vai estacionar ou sair do estacionamento, quando for efetuar retorno, na ultrapassagem e mesmo em deslocamentos de obstáculos como buracos ou objetos na pista que exijam mudança de direção.

Recentemente foi publicada resultado de pesquisa que apontou que cerca de 57% dos motoristas brasileiros não usam a seta ao mudar de faixa/pista. Em comparação a outros países que usaram o mesmo método de pesquisa, somos os “piores”, já que na França o índice foi 26% e na Espanha, 39,6%. (link para matéria sobre a pesquisa https://goo.gl/1HMPSV)
Erros muito comuns e que tornam o trânsito mais lento e perigoso veremos abaixo (verifique se você comete algum deles e passe a fazer corretamente):

a) Erro mais comum é justamente NÃO usar o pisca. Não há qualquer dificuldade para acioná-lo (tanto nas motocicletas quanto nos veículos de 4 rodas o acesso está ao alcance da mão, sem mistério), mas o não uso, além de ser infração de trânsito de natureza Grave (atualmente R$195,23 de multa e 5 pontos na habilitação), é um dos principais fatores que geram confusão e atraso no trânsito (pois o trânsito todo basicamente para ou reduz demais a velocidade tentando adivinhar a ação do motorista irresponsável);

b) Usar a seta, mas no mesmo momento que realiza a manobra. Perceba que a função da luz é indicar com ANTECEDÊNCIA, é inútil sinalizar quando já está realizando a manobra, quando todos já sabem o que você vai fazer e o transtorno já ocorreu;

c) Não sinalizar com a seta quando ultrapassa outro veículo, nem quando entra/sai de estacionamento ou garagens. Perceba que a ausência dessa sinalização, além de ser infração, pega os demais condutores, especialmente, de surpresa;

d) Motociclistas sem usar a seta. Observação do trânsito local mostra que uma parcela bastante significativa dos condutores de motocicletas não usa o pisca. A obrigatoriedade não é só para automóveis.
Portanto, utilize corretamente a sete. Se você aprendeu certo quando se habilitou, por que faz diferente no dia a dia?

Termino mencionando que no caso de ocorrência de acidente de trânsito o não uso correto dessas luzes é forte componente para responsabilização do condutor, obviamente observado cada caso, mas já indica um elemento da culpabilidade que é a negligência.

Eduardo Cadore é Especialista em Gestão e Planejamento de Trânsito, Psicólogo Perito, Pós-graduando em Direito de Trânsito, Tecnólogo em Segurança no Trânsito, Instrutor de Trânsito do CFC Cadore e Profissional de recursos de multa na LEMA – Assessoria em Trânsito. É redator dos sites www.autoescolaonline.net e www.direitodetransito.com.br/luiscadore e colaborador-especialista do Portal do Trânsito.

Fale com o especialista pelo (55) 99931-8627 (WhatsApp) – educadpsi@gmail.com