Comandante do 14° BPM ressalta o trabalho dos policiais e o apoio da comunidade na redução dos índices de criminalidade

O comandante do 14º BPM em entrevista a Jilvan Santos
Compartilhe essa notícia...
Share on Facebook
Facebook
Email this to someone
email
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Em entrevista ao programa Expressão Livre desta quarta-feira, o major Frank Ernani Schweinitz, comandante do 14° BPM, falou sobre os trabalhos do batalhão na área de abrangência da corporação, detalhados a partir de dados divulgados em recente balanço de ocorrências atendidas pela Brigada Militar no ano de 2018.

PUBLICIDADE – Conforme o comandante, “é um perfil adotado pela Brigada Militar de divulgar os atos da corporação, os quais também são uma oportunidade da comunidade fiscalizar, apoiar e auxiliar a diminuir os índices de criminalidade”. Segundo Frank, “temos de enaltecer as práticas e planejamentos adotados, assim como o empenho dos cerca de 200 policiais militares do efetivo do 14°BPM que se dedicam incansavelmente para que esses índices estejam em níveis satisfatórios para o momento em que vivemos hoje”.

EFETIVO – Sobre o número de policiais no efetivo, o major salientou que, embora existam muitos recursos tecnológicos que auxiliam na segurança, como videomonitoramento, GPS e cercamento eletrônico, a mão-de-obra humana não pode ser substituída. Neste intuito, informou que embora a Brigada conte com cursos de formação em andamento, os números de policiais formados não serão suficientes para atingir o efetivo que a instituição, através de seu planejamento, programou que seria o ideal: “Mas nem por isso deixamos de apresentar resultados. Estamos inclinando nossos esforços para que essa carência de recursos humanos não seja sentida pela comunidade que apoia a Brigada Militar”. Ainda conforme o major, “temos um quantitativo expressivo aqui. Somos 13 municípios, e, se pensar há cinco anos, não se cogitava que a Brigada Militar teria de fechar suas portas em alguns turnos; hoje, porém, tornou-se uma realidade, e não iremos maquiar esse cenário. Temos de anunciar que em determinados locais e horários não há como mantê-los em funcionamento pela ausência de recursos humanos. Porém, temos as patrulhas intermunicipais que atuam nesses municípios e acabam atendendo de dois a três municípios em seus turnos de serviço, evitando qualquer área descoberta”, informou.

Major Frank Ernani em entrevista a Jilvan Santos

OPERAÇÃO GOLFINHO – Sobre a Operação Golfinho, que se aproxima de meio século de realização, Frank destaca que a mesma é uma ação consolidada: “Sabemos que há uma migração muito grande ao litoral e que acaba atraindo pessoas que buscam obter vantagens ilícitas em cima dos veranistas. Por isso, não há discussão quanto à necessidade dessa operação. Sempre apoiamos a Operação Golfinho, e considerando essa época de férias, boa parte do efetivo com aptidão para salva-vidas será cedida à área litorânea para a prestação desse dignificante serviço”, ressalta.

CARNAVAL – O comandante salientou que ainda não foi comunicado oficialmente sobre a realização do evento em São Luiz Gonzaga: “Informalmente, tenho conhecimento que haverá carnaval. Porém, formalmente, a Brigada ainda não foi comunicada, não recebendo nenhum documento público informando que o evento será realizado. E, em questões que envolvem grande aglomeração de pessoas, a segurança precisa ser bem planejada e nunca deve ser a última a ser informada. Quando isso acontece, o evento pode restar comprometido”, alertou.

OLHOS DA COMUNIDADE – Ao final da entrevista, Frank destacou o apoio do cidadão para a contribuição do serviço policial: “Os olhos da comunidade são mais numerosos que os olhos do Estado. Na presença de pessoas discretas, muitos ilícitos se confirmam, e, por isso, as informações das pessoas tornam as ações mais efetivas. E esperamos que cada vez mais se repita essa parceria de cidadãos anônimos que proporcionaram que esses resultados (a redução no índice de diversos crimes na região) pudessem ser comemorados, pois não ocorreram picos excessivos que colocassem a região em estado de alerta ou em posição desonrosa em relação às demais regiões do estado”, finalizou o comandante.

Emerson Scheis/Rádio São Luiz

Compartilhe essa notícia...
Share on Facebook
Facebook
Email this to someone
email
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin