Insalubridade: Municipários obtêm despacho para participar do processo como amicus curiae

O presidente do Sindicato, Nilson de Chaves
Compartilhe essa notícia...
Share on Facebook
Facebook
Email this to someone
email
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Após ingressar com um pedido para fazer parte do processo que analisa a constitucionalidade das leis municipais que versam sobre o pagamento do adicional de insalubridade dos servidores municipais, a entidade recebeu uma notícia favorável nesta segunda-feira, quando um despacho judicial incluiu o Sindicato na ação como amicus curiae (amigo da corte).

Em entrevista ao Olho Vivo desta terça, o presidente do Sindicato, Nilson de Chaves, destacou que o primeiro objetivo foi alcançado, uma vez que o Sindicato não era parte do processo: “Esse processo resultou de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade – ADIN impetrada pelo prefeito Sidney Brondani junto ao Tribunal de Justiça pedindo  a inconstitucionalidade da lei municipal que trata da insalubridade dos servidores. A partir disso, o desembargador concedeu uma liminar e, a partir de agora, o prefeito pode aplicar o laudo para o pagamento do adicional”, explicou Nilson.

O presidente do Sindicato, Nilson de Chaves

Sobre a participação do Sindicato no processo, o presidente ressalta: “Estávamos trabalhando para fazer parte do processo, e, partir de agora, iremos acompanhar o desenrolar do mesmo. Não poderemos apresentar uma defesa, mas, sim, contribuir com informações e documentos. Para se ter uma ideia, somente no pedido feito pelo Sindicato incluímos mais de 30 páginas com informações. De nossa parte, estaremos fazendo o possível para garantir o direito dos servidores ao adicional de insalubridade”, salientou.

Conforme Nilson, com a liminar favorável ao prefeito, muitos servidores foram severamente prejudicados: “Hoje, atendentes de creche e assistentes sociais, que antes percebiam o benefício de 40% de insalubridade, passaram a não mais receber o adicional, representando cortes de R$ 200,00 a R$ 1.000,00. Infelizmente, a gente vê esse descaso com o servidor. Na gestão passada, tivemos um drástico corte de salários, com o prefeito anterior querendo fazer economia em cima do servidor. E atualmente, o prefeito Sidney, orientado pelos seus advogados, resolveu fazer dessa forma, prejudicando o servidor. Mas, como dirigente do Sindicato dos Municipários, afirmo que estaremos trabalhando para tentar um diálogo com o prefeito para buscar meios de beneficiar o servidor e, da mesma forma, trabalhar em cima dessa ação que deixou em intranquilidade o setor público. Iremos até a última instância”, finalizou Nilson.

Emerson Scheis/Rádio São Luiz

Compartilhe essa notícia...
Share on Facebook
Facebook
Email this to someone
email
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin