Ícone do site Rádio São Luiz FM 100.9

Atual presidente do Lar do Idoso divulga nota à imprensa

(Foto: reprodução/Lar do Idoso São Vicente de Paula)

A atual presidente do Lar do Idoso, Docinéia Becker Pasa, emitiu, no fim da tarde desta sexta-feira (8), nota à imprensa a respeito da renúncia coletiva das antigas diretoras da casa. Abaixo o texto na íntegra:

Eu, DOCINÉIA BECKER PASA, presidente e já qualificada em todos os termos e documentos exigidos junto a diretoria como Presidente da Associação Damas de Caridade do Lar do Idoso São Vicente de Paula, surpresa ante a exposição de meu nome de forma alarmante e irresponsável ante a opinião pública, por achar necessário e em respeito à instituição que hora represento, presto esclarecimentos para a comunidade e região e para quem presto serviços como trabalho voluntário, por não merecer que meu nome seja divulgado da forma que foi.

Sabe-se que, em uma instituição em que uma diretoria trabalha por muitos e muitos anos torna-se um hábito relevar e adiar melhorias no aspecto físico( prédio) enquanto der. Sabemos todos que existem melhorias que não podem esperar. Fazem parte da segurança dos idosos que lá estão e pagam para ter o conforto necessário. E foi feito.

A partir do dia 20 de novembro de 2018 quando eleita presidente do Lar do Idoso São Vicente de Paula o que até o dia de hoje faço com muito amor, carinho e doação dois turnos, ajudando no bem estar dos nossos queridos idosos. No dia seguinte 21 de novembro, no período da manhã cheguei ao Lar e conversando com a secretária para saber o dia a dia do funcionamento da entidade, deparei com um problema seríssimo na rede elétrica, caia a chave com frequência, fiquei assustada, chamei de imediato o eletricista, o qual chamou atenção de que precisávamos fazer reparos com urgência, pois, a rede estava sobre carregada alertando que toda a fiação estava muito quente e poderia, a qualquer tempo ter incendiado .

A partir desse momento fui me deparando com várias irregularidades e graças ao apoio de grandes amigos, que confiam no meu trabalho, doaram dinheiro , venda de rifas, venda de artesanatos (Arte Terapia, e mais o trabalho de excelência das colaboradoras do Costurando Sonhos) e a venda no Brique da Praça, fui consertando e comprando utensílios para o Lar.

Foi então que resolvi, contrariando as colegas de diretoria iniciar os concertos necessários para a segurança dos idosos, sempre dentro das Leis e amparo no Estatuto do Idoso – Lei 10.741/ 2003 onde preceitua em seus artigos 2º e 3º que diz:

“O idoso goza de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata esta Lei, assegurando-se lhe, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, para preservação de sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual, espiritual e social, em condições de liberdade e dignidade.

Art. 3o É obrigação da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária.”

Fez-se necessário e urgente iniciar os concertos. Fui fazendo, pedindo doações aqui e ali, em especial as amigas que tenho e que confiam em mim, reiterando aqui a contrariedade das meninas da Diretoria. Declaro aqui que tudo o que fiz está devidamente fotografado (antes e depois) para quem quiser ver. Todos os pedidos para que trabalhassem juntas e negados, estão devidamente gravados em WhatsApp de meu telefone celular.

Consertos:

• Câmara fria;
• Forno industrial – base com um furo enorme, a funcionária da cozinha quase queimou o rosto ao verificar um alimento que estava assando;
• Válvula e mangueira do gás de cozinha vencido;
• Escada escorregadia;
• Caibro podre da estrutura da área onde os idosos tomam o seu chimarrão;
• O carro SPIN nunca foi feito revisão geral, a bateria vencida, o carro foi comprado em 2015;
• Abelhas na Capela – foi um pedido desesperador da Ir. Sibila quando assumi a presidência, ela tinha medo que atacassem os idosos e os fieis na hora das orações e da missa;
• Uma enorme infiltração na sala da Fisioterapia e no vestuário dos funcionários;
• Telha quebrada, quando chovia molhava uma idosa cujo nome pode-se constar;
• Limpeza dos ralos e caixas de gordura;
• As lâmpadas da frente e das laterais do Lar, queimadas;
• Limpeza das calhas da parte lateral do prédio, pois tinha fraldas sujas, alguém atirava no telhado, quando chovia , escorregava água suja dentro dos ares condicionados, os idosos reclamavam do mau cheiro;
• Sofá impróprio para sentar;
• Aparelho telefônico estragado;
• Tampas dos sanitários quebrados

Compras:

• Compramos 57 camisetas para os idosos;
• Bateria p/ carro Spin;
• 1 máquina singer super moderna de bordar;
• 1 filtro d’a agua elétrico ;
• 40 pratos alouçados, pois o que usavam estavamdescascados;
• 60 canecas, as que tinham todas visguentas e manchadas;
• 2 fruteiras para cozinha, pois as frutas ficavam todas no chão;
• 1 liquidificador , o que tinha estava quebrado o copo e dava choque;
• 1 máquina aparador de pelos,
• 2 ventiladores grandes, um para cozinha e outro para a lavanderia;
• 1 torneira elétrica, necessário para fazer a higiene das sondas;
• 16 Sapatos de borracha para funcionários EPI ( Equipamento de Proteção Individual ) o que tinha era botas de borracha, sem condições de usar nos dias de altas temperaturas;
• 11 jalecos.
• 1 furadeira, 1 cortador de grama ,1 caixa de ferramentas, chaves em geral, compramos tudo novo, todas as ferramentas e máquinas de serviço geral, não eram do Lar do Idoso, eram emprestada de um funcionário;
• 2 ar condicionados, um foi instalado no salão, estava queimado e o outro foi colocado no refeitório;
• Almofadas nos bancos da Capela e 4 cadeiras reformadas ( uma parte desses consertos, foi pago com o dízimo e a outra com doação);
• 10 formas de pão para cozinha;
• 4 bacias de inox para o açougue, pois as bacias eram precárias, quebradas e imprópria para uso;
• 5 jogos de talheres Tramontina;
• Porta talheres;
• Extensões;
• 1 balança para cozinha;
• 12 copos de vidros;
• 1 chaleira grande;
• 2 panelas grandes;
• Escumadeiras;
• Faixas para a Fisioterapia;
• Bicicleta para a Fisioterapia;
• 1 guarda-roupa;

Precisei, com o coração partido fazer demissões. Mesmo conversando com as pessoas não tive credibilidade. Fui completamente expurgada, e muito menos compreendida no momento que comecei a fazer as demissões, a minha vida inteira convivi com pessoas idosas, cuidei, e como cuidei, as pessoas que me conhecem sabe, que cuidei, tanto da minha família como da família do meu querido marido, sei as necessidades das pessoas de mais idade, que precisam de um olhar permanente no cuidado com a saúde, esse dever se multiplica por mil, por que eles merecem, de nossa parte muita atenção, respeito, carinho, muita paciência e sobre tudo muito amor. Felizes são os que têm essa oportunidade de ajudar e ser ajudado, de ouvir e aprender com os nossos idosos as mais preciosas lições de vida.

Me deparei com várias irregularidades no atendimento aos idosos como:

• As fraldas estavam com os cadastros desatualizados, por esse motivo que ficamos vários dias pedindo doações para a comunidade;
• Cadastro desatualizado de suplementos alimentares para pacientes em uso de nutrição enteral;
• Idosos com medicamentos controlados que não foram solicitados a manipulação;
• Remédios vencidos juntos com os de uso atual ( misturado);
• Insulina vencida desde 2016;
• Solicitação vencida do dentista e também não agendamento dos encaminhamentos;
• Solicitações do Otorrinologista e Oftalmologista não realizados;
• Perdas de receitas médicas;
• Prontuários de idosos que foram a óbito junto com prontuários de idosos permanentes;
• Idosos sem registros de evolução de enfermagem;
• Idosos sem dosagem anual de vermífugos;
• Dosagem de vacinas desatualizadas e muitos sem carteira, enfim sem registros de vacinas para o controle;
• Idosos com sonda naus entérica sem rotina específica de troca de frascos ,equipo e seringa;
• Idosos com compartilhamento com esponja de banho;
• Retiramos vários quilos de alimentos vencidos de dentro da câmera fria;
• Retiramos entulhos, cacos velhos de dentro dos galpões e dos quartos;
• Funcionária fazia serviços de outro emprego no ambiente do Lar;
• Funcionaria usava o carro Spin para fazer atendimento fora do Lar;
• Funcionários mal humorados;
• Jovem aprendiz. A Lei preceitua a possibilidade de ter pessoas jovens aprendizes. Necessário se faz até pela socialização de jovens que irão aprender a conviver com idosos.

Pelo curto tempo de presidência fiquei apavorada com tantas irregularidades, convoquei uma reunião com a vice, tesoureira,2ª tesoureira, coordenadora de projetos, médica e uma do Conselho Fiscal, pontuei algumas irregularidades que estava percebendo no andamento do Lar, virou uma gritaria, a tesoureira e a vice gritando comigo e eu pedindo ajuda, era só o que eu falava …gurias quero que me ajudem!!! Temos 56 vidas no Lar sobre a nossa responsabilidade !!!! E tem muitas coisas erradas no Lar. Me ajudem!!!! Era constantemente chamada de LOUCA ( tenho provas). Louca talvez sim, mas por melhorias para aquelas que ali estão. E não estão de favor, pagam com suas aposentadorias.

Confesso, falei alto com a vice e a tesoureira, pedia ajuda e não era atendida, a última ajuda que pedi e implorei para providenciarem um tubo de oxigênio, lembrando que esse pedido já tinha sido feito pela médica, na ocasião a minha irmã estava hospitalizada, eu não podia sair de perto dela no hospital, implorei para tesoureira ver isso (não por ser minha irmã, por ser um ser humano, que poderia ser qualquer idoso que necessitasse do oxigênio), até no final da conversa falei, “se o Lar não tem dinheiro, eu pago”, e nada foi feito, me negaram ajuda, o que aconteceu, a minha irmã voltou p Lar, passou mal e não tínhamos oxigênio, por esse motivo, fiquei muito nervosa e não me dei conta de que não era minha filha com a qual poderia gritar de vez em quando. Qual mãe nunca fez isso? Se humilhar e assustei na hora do desespero de ter uma pessoa em meus braços sem poder nada fazer devido a falta do aparelho em falta peço desculpas. Depois que o estado de saúde da minha irmã melhorou, um funcionário achou um tubo de oxigênio no galpão, surpresa que desde 2015 que não constava pagamento de manutenção.

Diziam que eu era nova e queria fazer tudo de imediato, que o Lar não tinha condições financeiras. Argumentava dizendo, que estamos lidando com VIDAS e quando se trata de saúde tem que ser de imediato sim. Surpresa fiquei em tomar conhecimento durante a semana, ao ter ido aos bancos pagar salários de funcionários, que o Lar tem dinheiro sim. Quem quiser provas é só procurar no Lar de hoje que estão todas lá.

Não tenho medo de trabalhar, isso não me assusta, temos o mais importante, CRÉDITO, O LAR NÃO DEVE NADA PRA NINGUÉM, todos os dinheiros que usei para fazer as compras, foram de pessoas amigas que confiam no meu trabalho e doaram para melhorar cada vez mais a qualidade de vida dos IDOSOS. Reitero que todos os recibos estão disponíveis no Lar do Idoso.

Para concluir quero agradecer o Prefeito Sidney Brondani e ao Presidente da Câmara de Vereadores Pitt Werle, que gentilmente nos receberam e nos escutaram e juntos doaram 155 mil ( 125mil da prefeitura e 30 mil da Câmera dos Vereadores) parcelado em 11 vezes para o pagamentos das guias.

Hoje o Lar do Idoso São Vicente de Paula consta com uma excelente equipe de funcionários:

• Dra. Fabiana Zamperetti Prieb
• Enfermeira Chefe: Renata Romualdo Carvalho
• Nutricionista: Josiele Oliveira de Moura
• Fisioterapeuta: Vanessa Hofmann de Ávila
• Psicóloga: Paula Paraiba de Morais
• Secretária: Roberta dos Santos Desordi
• 14 Técnicos de Enfermagem
• 10 Funcionários- Serviços Gerais

Também tenho ao meu lado pessoas que se prontificaram a trabalhar em uma nova diretoria. Pessoas de credibilidade que serão em breve apresentadas para a comunidade.

Graças a Deus e a Nossa Senhora Auxiliadora não estou só na empreitada. Até então eu havia resolvido a ficar quieta focada em meu trabalho voluntário. Não esperava ser agredida de forma pública. Fui procurada por companheiras da gestão anterior que, chocadas com a exposição, confiaram na gestão anterior e nem sabiam da veracidade dos fatos. Num mundo tão conturbado por maledicências temos que aprender a dialogar antes de atirar pedras. É uma exposição do Lar desnecessária. Como diziam meus sábios pais: “…roupa suja se lava em casa”.

Tudo o que expus está comprovado em documentos na secretaria. É o esclarecimento que se fez infelizmente necessário de minha parte. Unidos somos fortes.

Docineia Becker Pasa – Professora Néia para ao amigos.

Sair da versão mobile