Ícone do site Rádio São Luiz FM 100.9

Para vereador Francisco Lourenço, melhorias no serviço do estacionamento rotativo serão determinantes para a aprovação da contratação de agentes de trânsito

Em entrevista ao programa Olho Vivo desta quinta-feira, o vereador Francisco Lourenço (PDT), atual presidente da Associação dos Legislativos das Missões – ALM falou sobre a eleição da nova diretoria que ocorrerá nesta sexta-feira, a partir das 19h, na Câmara de São Luiz Gonzaga.

Acerca do balanço de sua gestão à frente da entidade, Lourenço salientou que o ano não foi favorável às reivindicações da Associação, uma vez que seu período ocorreu no final do mandato do ex-governador José Ivo Sartori e início do novo governo de Eduardo Leite. “Em final de gestão,  governo está fechando a parte contábil, e, por isso, as reivindicações não obtêm êxito. Pelo que acompanhamos pela imprensa, como o fato do secretário Juvir Costella afirmar que não há recursos disponíveis para as estradas, constata que a gestão passada foi muito frustrante. E, embora que nem todas nossas reivindicações tenham obtido um retorno positivo, cumprimos o nosso papel à frente da Associação.

Quanto aos nomes que deverão participar da eleição à presidência da ALM, Lourenço informou que serão conhecidos no dia de hoje, que é a data final de inscrição de chapas. “Existe a definição de que o novo presidente será do MDB, e sabemos do interesse de vereadores de Caibaté e São Nicolau em disputar, mas conheceremos somente hoje quem serão os vereadores candidatos”, destacou.

Estacionamento – Sobre a questão do estacionamento rotativo, Lourenço informou que a Comissão de Infraestrutura da qual preside e foi responsável pelo parecer desfavorável à contratação dos agentes fiscais de trânsito trabalha em várias frentes: “Temos responsabilidades em vários setores, e é composta por vereadores (além de Lourenço, fazem parte os edis Aldimar Machado e Clóvis Veiga) que não tem comprometimento com a Administração Municipal ou com a empresa, mas, sim, com a comunidade são-luizense”.

Segundo Lourenço, “essa empresa está instalada há dois anos no município, e, durante esse tempo, operou sem os agentes. Assim, foi surpreendente que logo após a rejeição do projeto ouvimos pela imprensa de que a empresa iria suspender o serviço e cobrar ressarcimento do Poder Público”. Conforme o pedetista, “o parecer foi feito mediante ampla análise da Comissão, a qual recebeu a empresa e definimos algumas melhorias que teriam de serem efetuadas para o serviço prestado. Assim, foi acordado pela Comissão de Infraestrutura de emitir um parecer desfavorável à contratação de agentes fiscais pela prefeitura pelo fato do estacionamento ainda estar em fase de adaptação, com vagas pequenas para os veículos. Outro ponto é que o prefeito se reuniu com a empresa e definiu um aumento de 25% nas tarifas e notificações, e essa decisão não envolveu consulta aos vereadores. Ao meu entender, foi um aumento significativo”.

Lourenço ainda destacou a questão das multas: “Nos preocupa o fato do Brasil ser o 7º país no mundo que mais cobra impostos da população, além de possuir diversas multas aplicadas à população. Hoje, existem multas que ultrapassam os R$ 3mil, com a justificativa de que servem para disciplinar os motoristas. Assim, temos uma industrialização de multas, e, a nível municipal, é nossa responsabilidade legislar sobre isso. Assim, entendemos que o estacionamento veio para beneficiar a comunidade e acredito que não há como aprovar o projeto desses fiscais (que têm o objetivo de aplicar multas aos condutores) sem ter efetuadas as alterações solicitadas à empresa”, salientou.

Quanto às declarações do Chefe do Executivo de que a votação contra o projeto teria sido equivocada, Lourenço discorda: “Eu sou consciente e salientei que votarei favorável no momento em que estiverem implantadas as reivindicações. Precisamos de um comprometimento da empresa a longo prazo, e também da prefeitura. O prefeito fala da preocupação com o passivo a ser deixado caso a empresa deixe o serviço, mas ele precisa ter em mente que funcionários da área da Saúde estão trabalhando sem o seu adicional de insalubridade, e isso irá gerar um enorme passivo. Ele deve pensar nisso, e não só se preocupar com o passivo da empresa. Dessa forma, demos o parecer desfavorável ao projeto de lei no momento e salientamos que, após a definição desses pontos (as reivindicações feitas à empresa, como aumento do número de monitores, das dimensões das vagas e instalação de parquímetros), rediscutiremos a questão”, ressaltou.

UERGS – Com a divulgação de uma empresa vencedora na licitação para construção da sede própria da UERGS em São Luiz Gonzaga, Lourenço destacou a participação do PDT na conquista: “conquistamos com o deputado Afonso Motta e o senador Lasier Martins emendas que somaram no valor de R$ 1 milhão, que proporcionou que a obra fosse possível. Ontem, tivemos a definição da empresa, que está credenciada para efetuar a obra. É uma notícia muito importante, pois solidifica de vez a universidade no município. No passado, já havíamos conquistado a definição de sediar o núcleo universitário, e, agora, conquistamos a construção da sede. É uma grande conquista para São Luiz Gonzaga”, finalizou o vereador.

Fonte: Emerson Scheis/Rádio São Luiz

 

Sair da versão mobile