COVID-19: Médico infectologista alerta para os cuidados para com as pessoas dos grupos de risco por conta da agressividade do vírus

Em entrevista à Rádio São Luiz, o médico infectologista e membro do Comitê de Saúde da 12 Coordenadoria Regional de Saúde, Sérgio David Jaskulski Filho, comentou sobre os cuidados a serem tomados pela população e como a saúde pública está preparada para o provável surgimento de casos do novo coronavírus na região.

Segundo Sérgio, um dos motivos do COVID-19 ter se tornado uma pandemia, com casos em vários países, se deve à grande facilidade de transmissão e de contaminação. “Por isso, o isolamento das pessoas é a melhor forma de prevenção”, alertou o médico. Segundo ele, em São Luiz Gonzaga, estamos na primeira fase de contingência, onde é preciso restringir a saída de pessoas nas ruas e diminuir o fluxo, orientando para adotar essas medidas e evitar aglomerações. Isso é importante para não inviabilizarmos o sistema de saúde no município”, explica.

Conforme o infectologista, um fator positivo para o Brasil enfrentar a situação do Coronavírus foi o fato de que o inverno ocorreu antes na Ásia e na Europa e permitiu que os brasileiros aprendessem com os erros nas medidas de contenção do vírus, como na China e na Itália: “Estamos vendo o que eles estão errando e com tempo hábil de corrigir para fazer certo. Na 12 Coordenadoria de Saúde, já havíamos feito capacitação de profissionais da saúde uns três meses antes, e agora os médicos já estão capacitados e saberão como manejar o paciente infectado quando ele chegar no hospital”.

Sérgio alertou para os cuidados redobrados que as pessoas que se incluem nos grupos de riscos precisam tomar, principalmente, os idosos, hipertensos e diabéticos: “São os com maior fator de risco de evolução para uma pneumonia grave, pois nessa população o vírus está sendo mais agressivo, vindo a evoluir para uma SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave). Dentro do Comitê já vimos casos de pessoas com idade acima de 60 anos que tiveram o quadro evoluído para uma SARS, e essa é nossa preocupação, pois não temos leitos suficientes, embora 87% dos casos do Coronavírus não gerem casos com gravidade; mas o problema é os outros casos, em que cerca de 5% têm evolução do quadro e necessitam de uma Unidade de Tratamento Intensiva. Por isso, é muito importante a prevenção para preservar os leitos para as pessoas com fator de risco”.

Para finalizar, o médico destacou: “Vamos lutar. Sabemos que o SUS é deficitário, e esse é o momento único na história, e ele vai passar. E, quando passar, que a população sugira aos governantes as mudanças que nosso sistema de saúde precisa ter.. Já passamos por duas epidemias (referindo-se ao surto de H1N1 anos atrás) e temos que trabalhar para buscar a melhoria efetiva do nosso SUS”.

Fonte: Rádio São Luiz

Foto: Kelvin Morais/Rádio São Luiz