Prefeito de Entre-Ijuís diz que recomendação do MP para cumprimento das medidas estabelecidas no decreto estadual é na verdade uma ameaça

Gestor defende flexibilização do comércio e ida à Justiça “para exercer função”

O prefeito de Entre-Ijuís, Brasil Antonio Sartori, falou nesta segunda-feira (13) sobre a flexibilização do funcionamento do comércio nos municípios da Associação dos Municípios das Missões. Conforme o gestor, “está havendo uma interferência muito grande do Ministério Público e do governo do estado”, que estariam avançando em atribuições dos prefeitos.

“O governo estadual diverge do federal; o Ministério da Saúde fala uma coisa e o governo outra. É um cruzamento muito grande de informações e cada um interpreta como quer”, disse Sartori, em tom crítico. O receio do gestor é que “a decisão de fechamento tenha sido precipitada, pois a região ainda não foi atingida”.

“Minha opinião é que a avaliação deve ser feita individualmente, com os devidos pareceres técnicos. Os municípios devem estar preparados. O que eu temo é que tenhamos fechado cedo e quando chegar a hora de abrir, aí que teremos que fechar mesmo”, esclareceu. “Já convidei os prefeitos para ir para o enfrentamento, se precisar ir para o judiciário para poder exercer o que fomos eleitos, vamos”, pontuou Sartori, indicando que é favorável a liberação do comércio.

Na avaliação de Sartori, a recomendação do Ministério Público para cumprimento das medidas estabelecidas no decreto estadual é na verdade uma ameaça. “Entendi que o que o MP fez não foi uma recomendação, foi uma ameaça”, disse. Ele concluiu lembrando que a AMM deve se reunir novamente na quarta-feira, mas adiantou que o “enfrentamento” não deve passar do dia 15. “Quem está no cargo tem que exercer ou sair. Temos que ter peito para cumprir o que está escrito na lei”, concluiu.

Fonte: Rádio São Luiz