Rádio: informação e entretenimento no momento de pandemia

(Imagem/divulgação)

Pandemia estimula audiência do rádio

Desde que teve início o período de isolamento social, como medida de combate à pandemia do novo coronavírus, a audiência do rádio brasileiro cresceu, segundo pesquisa realizada pela Kantar Ibope Media. Entre os entrevistados, 77% disseram ouvir rádio. Desse total, 59% aderiram às medidas de isolamento social, sendo que 24% seguem exercendo suas atividades de trabalho ou estudo e outros 35% não exercem mais a ocupação anterior.

Em relação à frequência, 71% afirmaram consumir a mesma quantidade ou mais conteúdo radiofônico, em comparação com o período anterior à pandemia. Outros 20% declararam estar ouvindo muito mais rádio do que ouviam antes, em período de circulação normal.

As restrições impostas pelo isolamento social estão longe de atrapalhar o meio. Pelo contrário. Em fevereiro, os ouvintes escutavam, em média, 4 horas e dois minutos por dia, geralmente no trajeto entre o trabalho e a casa. Mas em tempos de confinamento, a média subiu para 4 horas e 10 minutos.

Os entrevistados também falaram sobre a preferência ao ouvir rádio: 52% procuram por músicas, 50% estão em busca de distração e 43% utilizam o veículo para se manterem informados sobre os últimos acontecimentos. Outros 23% afirmaram que consomem notícias em busca de atualizações sobre a COVID-19 e 10% acessam reportagens radiofônicas para preencher o tempo livre.

As plataformas mais utilizadas para acessar a programação são: dial AM/FM (84%), internet (19%) e YouTube (12%). Veja AQUI o estudo na íntegra.

Metade dos brasileiros prefere ver anúncios em veículos de comunicação durante pandemia

Os meios de comunicação como rádio, TV e jornal estão na preferência de mais da metade (53%) dos brasileiros para a veiculação de informações das marcas publicitárias durante a pandemia do novo coronavírus.

Segundo pesquisa da Edelman divulgada na segunda-feira (6), este é o momento para os anunciantes aparecerem, em vez de se omitirem.

Mais de 12 mil entrevistados de 12 países foram ouvidos para avaliar a confiança nas marcas durante a COVID-19.

A preferência por anúncio em redes sociais ficou abaixo dos veículos de comunicação: Facebook (49%), Instagram (46%), site da marca e email, com 40%.

O estudo mostra ainda que 94% dos brasileiros querem que as marcas mantenham o público informado sobre como apoiam e protegem seus empregados e clientes.

Para 72%, o Brasil não passará pela pandemia sem que os anunciantes desempenhem “papel crucial na solução dos desafios”.

Para conhecer a pesquisa completa, acesse AQUI.

Fonte: Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT)