Coordenador regional de saúde pede que a comunidade não afrouxe as medidas de prevenção ao coronavírus

(Foto: divulgação)

Uso de máscara é imprescindível 

Nesta segunda-feira (27), o coordenador regional de saúde, Iury Sommer Zabolotski, falou sobre as condutas a serem adotadas a partir da confirmação, por teste rápido, do primeiro caso de coronavírus na região, que foi registrado na manhã de sábado, em Santo Ângelo. Segundo ele, não é motivo para desespero. “Sabíamos que uma hora ia chegar. Nossa região tem cerca de 300 mil habitantes e, provavelmente, tenha sido uma das últimas a ter contato com o vírus, mas, em algum momento, ocorreria”, pontuou.

Iury ressaltou que o teste positivo ainda carece de confirmação da contraprova enviada ao Lacen e que o paciente, um homem, de 39 anos, está na UTI, mas seu estado é estável. Ele é um caminhoneiro, que esteve em São Paulo, e procurou o primeiro atendimento médico na terça-feira passada. Para o coordenador, o fato de ele ser caminhoneiro não pode ser motivo para estigmatizar a categoria. “Poderia ter sido uma pessoa a passeio, um médico, enfim, não dá para dizer que foi por causa da profissão”, frisou.

No fim de semana, mais duas pessoas deram entrada com sintomas da doença nos hospitais da cidade. Segundo Iury, são duas senhoras, uma tem 62 anos e a outra 72. Ambas estão hospitalizadas, mas não necessitaram de leito de UTI. Elas vão realizar teste rápido e coleta para o Lacen ainda hoje.

No momento, ressalta o coordenador, é preciso que a comunidade redobre os cuidados. O uso de máscara é mais do que recomendado e pode, segundo ele, passar a ser obrigatório em alguns municípios.

Indústrias e estabelecimentos que possuam grande número de funcionários precisam ficar ainda mais alertas. Iury relembrou que existem exemplos de locais como esses que tiveram surtos. “As pessoas precisam respeitar as orientações, muitos estavam acreditando que não teríamos nada aqui, teve deputado dando entrevista dizendo que já tinha acabado, mas isso só dificulta nosso trabalho”, comenta Iury.

Na perspectiva do coordenador, o surto deve durar até meados de julho ou agosto e, para que nossos serviços de saúde consigam atender os pacientes, é preciso que o vírus não se dissemine rápido. “Temos que evitar filas de banco e lotéricas. Grupos de diabéticos, tuberculosos e pacientes em quimioterapia, precisam se resguardar”, concluiu.

Fonte: Rádio São Luiz