Biomédico fala sobre aplicação dos testes rápidos e destaca que vírus já circulava em São Luiz Gonzaga há pelo menos 16 dias

(Imagem: divulgação)

O biomédico da secretaria municipal de saúde de São Luiz Gonzaga, Günther Sott, falou nesta quarta-feira (6) sobre as aplicações dos testes imunocromatográficos (testes rápidos) realizadas ontem. Ao todo, sete pessoas que tiveram contato com o primeiro paciente contaminado pelo coronavírus passaram pela avaliação e destas, cinco apontaram contato com o vírus.

Essa marcação, conforme explica Günther, apresenta anticorpos para o Covid-19 e revela que a pessoa em questão teve contato com a doença, mas não identifica se ela ainda está no momento. É diferente do teste com material genético, que é o realizado pelo Lacen/RS, o qual capta o RNA do vírus no corpo. Das cinco pessoas que apontaram o vírus, por exemplo, quatro não apresentavam sintomas. Um deles, inclusive, transmitiu o vírus para a mãe, que está hospitalizada em São Luiz Gonzaga. “Isso reforça a necessidade de tomar os cuidados amplamente divulgados, pois o vírus já está circulando entre nós”, comenta Günther.

Com os exames realizados ontem foi possível concluir que o coronavírus está circulando em São Luiz Gonzaga – pelo menos – desde o dia 20 de abril. “Já imaginávamos que ele chegaria nessa semana, até pelo comportamento na região. Temos um fluxo intermunicipal muito grande”, explica o biomédico.

Questionado sobre o paciente zero, ou seja, aquele que seria o primeiro a ter contato com o vírus no município, Günther comenta ser difícil identificar agora, uma vez que o vírus está circulando há bastante tempo. Sobre isso, ele comentou que muitos têm estigmatizado pacientes testados positivamente e que não é momento para isso. “Essa é uma doença que pode ser contraída a qualquer momento. Temos que tratar essas pessoas com muito cuidado e carinho. Poderia ser um de nós”, disse.

Günther afirma ser precipitado dizer que temos transmissão comunitária, pois a testagem não é suficiente para um estudo de amostragem como o que foi feito pela Universidade de Pelotas. A quantidade dos testes rápidos em estoque – que vieram da Secretaria Estadual de Saúde – devem respeitar um protocolo de aplicação. A utilização deve ser em idosos, nos sintomáticos e pessoas do grupo de risco. A norma ainda estabelece que sejam aplicados em profissionais da saúde e da segurança, que apresentarem sintomas, justamente pela necessidade de preservar estes profissionais que mantém contato direto com a população.

Na próxima semana o município deve receber mais testes, que foram adquiridos pela administração municipal, os quais permitirão uma testagem com mais liberdade e dentro dos critérios das equipes de saúde do município. Günther conclui dizendo que o serviço de saúde está preparado e pronto para enfrentar a pandemia, mas reforça a necessidade de que a população respeite as orientações de prevenção.

Fonte: Rádio São Luiz