“A equipe de saúde, depois que isso tudo passar, merecia desfilar num carro de bombeiros para todo mundo aplaudir”, diz paciente recuperada do coronavírus em São Luiz

Registro do momento que Inês deu alta do hospital. (Imagem: frame vídeo/divulgação)

A frase que reforça a admiração pelos profissionais de saúde foi dita pela senhora Maria Inês Diel, 55 anos, moradora do Bairro Trinta, que é primeira pessoa recuperada da Covid-19 a receber alta do Hospital São Luiz Gonzaga. Ela falou com nossa reportagem no sábado (9), poucas horas depois de chegar em casa e de ter vivido um período de muita expectativa e dúvidas.

Dona Inês, que segundo a Secretaria Municipal de Saúde deve ter contraído a doença após contato com o filho, que não apresentou sintomas, mas trabalhava com o paciente zero, ou seja, o primeiro a ser diagnosticado com a doença no município, ficou cinco dias em tratamento. Ficar em isolamento, segundo ela, não foi fácil, mas “as equipes da saúde e a vontade de vencer ajudam muito”, declarou.

Ela descreve o pior momento dos sintomas como uma fase em que sentiu muitas dores. “Não sei exatamente o dia, mas tive muita dor no meu corpo, que até na minha pele eu não podia encostar. É uma sensação muito ruim. Tipo uma gripe muito forte, só que umas três vezes mais”, descreve.

Durante o tratamento ela podia falar com a família no telefone e mandar mensagem, o que ajudou a tranquilizar os dois filhos e a se manter calma. A melhora dos sintomas veio logo no segundo dia de tratamento.

Maria Inês, durante a conversa, fez questão de ressaltar a coragem dos profissionais do hospital. “Eles mereciam, depois que isso tudo passar, desfilar num carro de bombeiros e todo mundo aplaudir. Eles tem coragem, pois não é qualquer um que está disposto a ajudar a pessoa que está com algo contagioso”, afirmou.

A relação dela com a equipe teve ainda um momento simbólico e de grande repercussão nas redes sociais. No dia da alta, médicos, enfermeiros, técnicos e demais colaboradores da casa de saúde se reuniram para cantar e aplaudir a vitória da paciente, que também era uma vitória de todos. “Chorei muito! Foi muito bom ver todos ali, foi muito gratificante”, revela.

Em processo de recuperação, ela ainda precisa ficar em quarentena durante um determinado período. Dona Inês, como é chamada pelos amigos e familiares, ainda desabafou sobre as criticas que surgem nas redes sociais. Ela ressalta que não foi por falta de cuidados que contraiu o vírus e que “ninguém está livre”. “Acho que devemos nos cuidar, usar máscara e não ter preconceito com as pessoas. Veja os caminhoneiros, por exemplo, eles não podem parar. Trazem nosso alimento. Temos que dar apoio”, destaca. Por fim, Inês comenta que “com fé em Deus e acreditando na nossa equipe médica vamos vencer a doença”.

Fonte: Rádio São Luiz