Prefeito Brondani diz que não está descumprindo ordem, mas pedindo revisão do protocolo

(Foto: arquivo/Rádio São Luiz)

O prefeito de São Luiz Gonzaga, Sidney Brondani, falou hoje cedo que não está descumprindo a determinação do Governo do Estado. Na realidade, segundo ele, o que este sendo feito é um questionamento dos dados divulgados no sábado (13), que mudaram a bandeira para a Região das Missões, elevando-a de laranja para vermelha, impondo novas restrições como o fechamento do comércio.

Brondani pede que o governador Eduardo Leite reveja os critérios e cita que a situação no município está controlada, inclusive, “melhor do que quando estávamos na bandeira amarela”. O gestor comentou ainda que o município está fazendo sua parte, com equipes de saúde atuantes e a destinação de uma unidade de saúde para atendimento exclusivo de pessoas com sintomas respiratórios. “O que compete ao município estamos fazendo, mas falta os respiradores, que são responsabilidade do Estado e que ainda não chegaram”, comenta.

A questão dos respiradores é, inclusive, apontada como justificativa. Brondani questiona que se o governo entende que a região tem classificação na bandeira vermelha, por que então ainda não enviou os respiradores. Ele ainda acrescentou que no momento o Hospital de São Luiz Gonzaga possui apenas uma pessoa internada, que é a paciente de Roque Gonzales, a qual deve receber alta médica nesta semana.

Segundo o chefe do executivo, os dados apresentados pelos colegas gestores em reunião ontem vão de encontro ao que divulgou o governo. “Não vejo razão técnica, a partir dos dados que dispomos, para nos convencer”, afirma.

Brondani também respondeu perguntas dos ouvintes, que denunciaram aglomerações em bares e praças e ainda citaram o exemplo dos jantares do Dia dos Namorados, que teriam descumprido as normas de distanciamento. Ele justificou dizendo que o município realiza o monitoramento, mas que dispõe de apenas dois servidores para fiscalização e que “não há decreto que resolva se não houver conscientização da comunidade”. A respeito dos restaurantes, ele lembrou que na bandeira laranja os estabelecimentos, com as devidas restrições, podiam realizar os atendimentos.

Quanto a uma possível adoção de barreiras sanitárias, o chefe do executivo questionou a eficácia da medida. Para ele, embasado no entendimento do comitê técnico, a barreira e fiscalização na rodoviária, por exemplo, tem pouca eficácia e causa uma falsa sensação de segurança.

Por fim, o prefeito ainda falou que regiões como Porto Alegre, Pelotas e Passo Fundo, por exemplo, que possuem um grande número de casos, permaneceram em bandeiras amarelas e laranjas, o que levanta questionamentos na comunidade. Brondani encerrou pedindo que a população continue colaborando e peça que os familiares que moram em outras regiões não realizem visitas neste período.

Fonte: Rádio São Luiz