Presidente licenciado da Associação dos Legislativos das Missões fala sobre dificuldades para realizar eleição do novo mandatário

(Foto: divulgação)

ALM está sem presidente em exercício, pois Marcos está licenciado. Ele é pré-candidato

O vereador de Caibaté e presidente licenciado da Associação dos Legislativos das Missões (ALM), Marcos Welter, falou nesta terça-feira (16) sobre os impactos da pandemia na vida da comunidade regional. O primeiro destaque foi o impasse entre o governo do estado e os prefeitos da região. Na visão de Welter, é preciso consenso para que o “povo não sofra ainda mais com tudo o que vem ocorrendo”. Ele entende, por exemplo, que no início o comércio esteve parado sem necessidade e agora que precisa de fato fechar as portas o impacto para o empreendedor será muito grande.

A pandemia tem afetado também o andamento da associação. Como é pré-candidato a reeleição, Marcos se licenciou do cargo para cumprir os prazos estabelecidos pela Justiça Eleitoral. Como a assembleia para escolha do novo presidente da ALM era para ter ocorrido em 16 de março, época em que entrou em vigor o decreto estadual impedindo aglomerações, a entidade acabou ficando sem presidente em exercício. “A associação tem mais de 200 vereadores. Impossível a gente reunir todo mundo”, justificou.

Além de estudar possibilidade de realizar reunião virtual, o presidente licenciado entende que uma das alternativas mais viáveis é que cada câmara envie um representante para eleger um novo presidente. Isso geraria um público de pouco mais de 20 pessoas e viabilizaria a eleição. A ideia, no entanto, precisa da aprovação de todos os municípios.

Por fim, Welter destacou a construção da nova Câmara de Vereadores de Caibaté. Segundo o edil, no final do mês deve ocorrer a mudança do legislativo para o novo local. O plenário terá 196 cadeiras e, segundo ele, será útil também para a comunidade, que poderá utilizar o local para fazer seus encontros.

Fonte: Rádio São Luiz