Deputado Osmar Terra critica a quarentena e o lockdown

(Foto: Divulgação)

Medidas vêm sendo adotadas em todo o mundo para evitar maior disseminação da Covid-19

O deputado federal Osmar Terra (MDB) voltou a criticar os modelos adotados até o momento para conter o avanço da Covid-19. Ele disse, durante entrevista nesta segunda-feira (27/7), que a quarentena e o lockdown não reduziram o número de mortos no Brasil. “Temos mais de 87 mil mortes em pleno lockdown”. A fala do deputado, no entanto, vai contra as recomendações da Organização Mundial da Saúde e de vários especialistas do setor, que indicam que o número de mortos seria maior não fossem essas medidas.

Osmar Terra tem sido bastante criticado nas redes sociais pelo seu posicionamento e previsões que acabaram não se concretizando. Em março, por exemplo, ele previu que o número de mortos pela Covid-19 no Brasil seria menor do que o número de mortes por H1N1. Outra previsão é de que a curva da pandemia acabaria em junho, o que também não se concretizou.

Segundo tese do parlamentar, o maior número de contágios ocorre justamente no ambiente doméstico. “A grande maioria dos mortos estava em quarentena”, disse ele. Contudo, estudo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), publicado no fim do mês passado, revela que ao lado de drogarias, vias públicas e veículo particular, a residência é o local com o risco mais baixo de contágio. Os locais de alto risco são hospitais e transporte público, seguidos de bancos, elevadores, cinemas e academias.

Por fim, o deputado criticou o modelo de Distanciamento Controlado do governo do estado dizendo que não há critério científico, mas sim critério político. Osmar disse que ao invés das bandeiras, o estado deve adotar a testagem em massa por exames de PCR. Inclusive teria destinado 1 milhão de testes para o Rio Grande do Sul.

Fonte: Rádio São Luiz