Ivo Batista reforça a importância do agricultor no cenário de crise na saúde

(Foto: Arquivo/Rádio São Luiz)

Presidente da Coopatrigo também lembrou que o homem do campo, além da pandemia, enfrentou forte estiagem no primeiro semestre

Nesta semana, no dia 28 de julho, foi comemorado o Dia do Agricultor. A data faz referência à criação do Ministério da Agricultura e foi instituída em 1960, no governo de Juscelino Kubitschek. O presidente da Coopatrigo, Ivo de Souza Batista, que está à frente de uma das maiores e mais importantes cooperativas de todo o estado, falou sobre a importância da data. No entendimento do presidente, a celebração serve para chamar a atenção “para esta classe tão importante e tão desvalorizada pelas autoridades competentes”.

Ivo falou das incertezas vividas pelo homem do campo a cada plantio e ainda a exposição aos problemas do tempo. Neste ano, como exemplo, citou a forte estiagem ocorrida nos primeiros meses. A condição climática atingiu os produtores gaúchos no seu carro-chefe, a soja. Não bastasse isso, ainda no primeiro semestre, assim como todo o mundo, o setor passou a lidar com a pandemia.

A disseminação do coronavírus preocupa o homem do campo, mas, conforme explicou o presidente, “trata-se de um setor que não pode parar”. “Ele tem épocas de plantio e colheita, e para manter sua propriedade ficam expostos, pois não podem abandonar a produção”, justificou. “Isso tem que ser mais valorizado pela comunidade e governantes”, completou.

Por fim, o administrador lembrou que nem tudo foram notícias ruins e que este ano também marcou o início das atividades do moderno Centro de Recebimento de Grãos Coopatrigo, a antiga Cesa. Ivo ressaltou que a estrutura, umas maiores do estado na capacidade armazenagem de grãos, trará muitos benefícios aos associados e para a comunidade regional. Ele acrescentou que quando a pandemia passar, fará o ato inaugural deste importante centro que já está em plena atividade.

Fonte: Rádio São Luiz