Orientação da 3ª Região Tradicionalista é que festejos farroupilhas não sejam realizados neste ano

(Foto: Larissa Dorneles / Prefeitura de São Luiz Gonzaga)

Decisão, no entanto, deverá ser tomada localmente e de acordo com as secretarias municipais de saúde

A aproximação das celebrações farroupilhas levanta o debate sobre como as entidades vão lidar com a situação da pandemia. Para o âmbito local, conforme o coordenador da 3ª Região Tradicionalista, Eduardo Bechorner, a orientação é para que sejam cancelados os festejos deste ano.

Ele explica que o avanço do coronavírus e a instabilidade das bandeiras – que dificultam um planejamento a longo prazo – somado a preocupação com a saúde da família tradicionalista, levaram, por exemplo, as entidades de Santo Ângelo cancelarem todas as atividades. “Neste momento, até em sinal de respeito as pessoas que perderam a vida, a atitude é de não realizar”, comentou.

Contudo, cada situação deverá ser discutida localmente. “As entidades podem decidir de acordo com as limitações daquele momento no seu município. Se houver entendimento e autorização das secretarias municipais de saúde, podem realizar”, explicou.

Para aqueles que optarem por fazer as celebrações, o MTG protocolou um documento com orientações para realizar atividades na modalidade restaurante. “A nossa orientação é para que não ocorra”, reforçou.

Neste ano também não será feita a distribuição da chama crioula. O motivo é o mesmo: evitar aglomeração e disseminação do coronavírus. “O que estamos sugerindo é que façam o acendimento na entidade com duas ou três pessoas e que mantenham na entrada. Tenho conhecimento de que haverá entidade realizando com transmissão virtual, então são ferramentas que podem ser utilizadas para marcar o momento”, concluiu.

Fonte: Rádio São Luiz