Unidade de distribuição dos Correios de São Luiz Gonzaga adere à paralisação nacional

(Foto: Divulgação)

Movimento impactará diretamente a entrega de encomendas

A paralisação nacional dos Correios também teve repercussão em São Luiz Gonzaga. Conforme a delegada sindical, Alessandra Santiago Rocha, os cinco carteiros que estavam trabalhando aderiram ao movimento grevista. Na prática, a unidade operacional, responsável pela distribuição, segue apenas com o trabalho do supervisor e de um terceirizado.

O motivo do movimento está ligado ao não cumprimento, por parte dos Correios, de acordo coletivo que teria validade até 2021 e previa a manutenção de benefícios. Segundo Alessandra, a empresa entrou com uma liminar contestando a manutenção dos recursos e quer pagar apenas o previsto na CLT. “Nosso salário será reduzido em 60%. A greve não é por aumento de ‘privilégios’, mas por vale-alimentação, férias e contra a privatização. Não é possível que considerem vale-alimentação como um privilégio”, destacou.

Alessandra ainda falou que devido a redução de pessoal por conta da pandemia, há uma sobrecarga dos trabalhadores. “Acumulam cartas, encomendas, processos internos. O distrito para cada um percorrer é muito grande. Estamos trabalhando de sábado a sábado e sem folga. A sobrecarga é imensa”, disse ela.

Como medida de prevenção, a federação nacional que orienta o movimento recomendou que não ocorram aglomerações nas agências. Por isso, os funcionários prestam o apoio e depois se dirigem às suas casas.

Não há previsão para término da greve. Eles aguardam o chamamento da empresa para diálogo.

Fonte: Rádio São Luiz