Calendário de digitalização de todos os procedimentos policiais encaminhados ao judiciário local inicia em setembro

(Imagem ilustrativa/ Divulgação/Polícia Civil)

Documentos serão remetidos somente de forma virtual. Delegado Afonso explica que isso agilizará representações por mandados de busca, prisão preventiva, entre outros

O mês de setembro vai marcar o início do calendário de digitalização de todos os procedimentos policiais com a Justiça Gaúcha. Os registros passarão a ser virtuais. Conforme o delegado regional Afonso Stangherlin, isso vai contribuir para agilidade nos trâmites e promover mais segurança aos agentes envolvidos, pois não haverá contato físico com o papel. Em tempos de pandemia, a medida se mostra bastante eficiente também do ponto de vista sanitário.

Afonso explicou que a Polícia Civil já tem o inquérito digital há aproximadamente 10 anos, mas essa informatização ainda não era adotada pela Justiça Estadual. Com a chegada das eleições municipais, procedimento semelhante será adotado com a Justiça Eleitoral.

O pleito de novembro é uma preocupação dos órgãos de segurança pública. A característica da eleição municipal é motivo de alerta. “Alguns maus candidatos ainda tentam burlar o sistema. A eleição municipal é muito marcada pela pessoalidade e a rivalidade e isso tudo faz com que o pleito local seja muito mais preocupante que eleições majoritárias para deputado e senador”, exemplificou Afonso.

Questionado se denúncias de crimes eleitorais devem ser feitas primeiro à Justiça Eleitoral, o delegado comentou que “se olharmos para o código do processo penal o flagrante pode ser feito por qualquer pessoa – ainda mais os órgãos de segurança”. Assim, ele sugeriu que seja escolhido aquele que estiver mais próximo e “seja mais eficaz no momento para obstaculizar o procedimento incorreto” que eventualmente esteja acontecendo.

Afonso destacou ainda uma mudança de conduta quanto ao registro de ocorrências de fatos menos relevantes fora do horário do expediente. Ocorre que a região possui seis delegados e estes fazem revezamento nos plantões para atender 13 municípios. A demanda regional levou os policiais a tomarem a decisão de não registrar mais ocorrências de fatos atípicos no horário do plantão. “Esses registros de fatos que não sejam criminais como a discussão com um vizinho, por exemplo, gastam o tempo e o recurso humano valioso que temos para atender ocorrências de peso. E elas ocorrem. Para esses casos, como perda de documentos, a pessoa pode esperar o horário de expediente ou registrar na delegacia on-line. Em 20 minutos, a ocorrência estará dentro do sistema”, finalizou o delegado.

Fonte: Rádio São Luiz