Perdas nas culturas de inverno após a forte geada da semana passada devem ficar na média de 50%

(Foto: Aurio Zanatta / Arquivo pessoal)

Engenheiro agrônomo Marcos Pilecco destaca que nunca se viu uma geada tão forte nessa época do ano

A forte geada registrada na semana passada foi muito prejudicial para as culturas de inverno. Conforme o engenheiro agrônomo Marcos Pilecco, a projeção de quebra é de 50%. “Existem variabilidades, pois ainda continuam aparecendo danos, mas estamos estimando esse prejuízo médio no trigo, aveia e canola. Infelizmente foi um dano severo”, comentou.

A força da geada nesta época do ano é motivo de surpresa até para agricultores mais experientes. Pilecco explicou que a geada pegou num ponto que eles nunca haviam visto. “Uma novidade é que chegou ‘estrangular’ no terceiro nó de cima para baixo e isso é incrível porque normalmente é lá em cima. Chegou estrangular a haste do trigo, ou seja, foi mesmo muito forte”, destacou.

No caso da canola, a média geral de prejuízo pode ser ainda maior. A projeção é que não baixe de 60%. “Quanto ao trigo, depois da chuva da semana que vem será mais fácil mensurar do que agora. A planta ainda está verde e muita gente está se entusiasmando, mas infelizmente o que está verde é só a palha”, explicou Pilecco. “Já estamos avisando que se não ver a flor para fora da espigueta ela está morta”.

Pilecco encerrou lamentando que esse fato atípico para o mês de agosto prejudique ainda mais o produtor que já havia sofrido perdas com a soja. “Tínhamos tudo para valorizar ainda mais essas culturas para o agricultor que já teve prejuízo com a soja e infelizmente vem essa catástrofe”, concluiu.

Fonte: Rádio São Luiz