Especialista em Direito Eleitoral comenta o fim das coligações na eleição para vereador

(Foto: Divulgação)

Partidos que não alcançarem o quociente eleitoral também poderão disputar as vagas

O especialista em Direito Eleitoral, Sávio Mahmed, falou nesta semana sobre as novidades para o pleito deste ano. O advogado reside há 32 em Salvador, mas é natural de São Luiz Gonzaga. Saiu daqui quando ainda era criança, após o pai, que era bancário, ser transferido para a Bahia.

Entre os destaques comentados na entrevista está o fim da coligação para vereador. “Todo ano muda algo e a principal novidade neste pleito é o fim das coligações na eleição para vereador. Isso vai acabar interferindo na composição da câmara”, disse ele.

Sávio explicou que agora as vagas residuais serão disputadas por todos os partidos, mesmo aqueles que não alcançarem o quociente eleitoral, que é o número estabelecido pela divisão dos votos válidos pelo número de cadeiras a preencher.

No cálculo feito como exemplo pelo especialista, São Luiz Gonzaga teria aproximadamente 20 mil votos válidos (retiradas as abstenções, brancos e nulos). Assim, a divisão seria de 20 por 13, que é o número de cadeiras no município. “Ao fazer essa divisão nós vamos encontrar um número fracionado perto de 1.500. Resumindo, 1.500 seria o quociente eleitoral de São Luiz Gonzaga”.

Neste caso, Sávio esclarece que a cada 1.500 votos recebidos por um partido este faz um vereador. “Se tem três mil faz dois e assim de forma sucessiva”, comentou.

No final, vai se perceber que nem todas as cadeiras serão preenchidas por este cálculo, pois tem os “votos quebrados”. “Se ficarem faltando três cadeiras, por exemplo, essa disputa será entre todos os partidos, inclusive aquele que teve mil votos e não alcançou o quociente eleitoral, mas agora poderá disputar essas vagas residuais com os outros partidos”, esclareceu.

Sávio encerrou comentando a importância das redes sociais nesta eleição, pois serão ferramentas importantes de aproximação com o eleitor em um ano que o contato corpo a corpo está restrito. Ele acrescentou que os candidatos precisam ficar atentos às restrições como comícios e grandes caminhadas. Pinturas em muros, cavaletes e placas nas vias, por exemplo, estão proibidas.

Por Kelvin Morais

Fonte: Rádio São Luiz