Empresária fala sobre as dificuldades enfrentadas pelos salões de beleza durante a pandemia

(Foto: Divulgação)

Setor foi um dos primeiros a ser impactados pela Covid-19

Os salões de beleza estão entre os setores mais afetados pela pandemia do coronavírus, pois com o cancelamento ou adiamento de casamentos, formaturas, festas, entre outros eventos, o público parou de procurar o serviço. Ziza Hoffman, uma das empresárias com mais tempo de atuação no ramo, comenta que a queda no faturamento em agosto deste ano comparado com o mesmo mês do ano passado foi de 45%.

A empresária ainda teve que demitir três funcionárias desde o início das restrições sanitárias. “No início dei férias, mas como a situação não melhorou, em abril tive que fazer duas demissões. Agora em agosto tive que demitir mais uma”, comenta.

Atualmente, quem frequenta o salão são pessoas que precisam “fazer o básico” como pintar os cabelos brancos ou tratar da onicocriptose (unha encravada). “Antes o sábado era o dia que mais trabalhávamos, as vezes fechávamos às 22h. Agora estamos fechando às 15h. O maior movimento passou a ser na segunda e na terça-feira, pois as clientes estão aproveitando para trabalhar a semana inteira arrumada”, destaca Ziza.

Como trabalham com um serviço, diferentemente de estabelecimentos que comercializam produtos, os salões precisaram se reinventar com mais opções para o público. “Nós já oferecíamos vários serviços, mas o que percebi é que as meninas que trabalhavam com algo mais segmentado estão buscando aprender mais sobre tintura, mecha, depilação, maquiagem, ou seja, se reinventando”. Apesar de acreditar que a normalidade só volte a longo prazo, Ziza diz estar confiante que os próximos meses já apresentarão melhor cenário para o setor.

Por Kelvin Morais

Fonte: Rádio São Luiz