Cartilha elaborada pelo MTG para retorno das atividades campeiras foi aprovada

(Foto: Divulgação)

Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural deu parecer favorável. Protocolo vale para regiões em bandeira amarela ou laranja

Conforme o Vice-presidente Campeiro do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), Adriano Pacheco, o ofício encaminhado à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural solicitando a retomada das atividades campeiras teve parecer favorável da pasta. A previsão era que esse documento ficasse pronto no dia 1º de outubro, mas a contribuição das 30 regiões tradicionalistas permitiu que a cartilha fosse concluída com bastante antecedência.

No fim de semana passado, em Santa Maria, já ocorreu o primeiro evento baseado nas orientações da cartilha. Foi uma laçada em trio, com 110 inscritos e com uma programação que atendeu as recomendações elencadas no documento, como verificação da temperatura, distanciamento, uso de máscara, não compartilhamento de objetos como copos e semelhantes, entre outros.

Para entidades interessadas em realizar as atividades, a orientação é que procurem organizar o evento com base nas orientações do documento elaborado pelo MTG. A cartilha está disponível no site da entidade, no portal da secretaria de Agricultura e nas regiões tradicionalistas. Adriano destaca que o documento precisa ser seguido e respeitado, pois é ele que vai nortear aqueles que tiverem intenção de realizar atividades semelhantes.

Deve ser feito pedido formal ao gestor do município para que este proceda com a liberação e depois de juntada a documentação, já com aval do gestor, apresentada na inspetoria que vai avaliar as condições. Antes, em média, a resposta levava cerca de 30 dias, mas, conforme o vice-presidente campeiro, o processo tem tramitado com bastante celeridade por conta do natural diminuição de eventos.

Passo a passo
Para a liberação de atividade campeira, o promotor e/ou realizador deve seguir os seguintes passos:
1. Elaborar o projeto com procedimentos a serem seguidos na realização do evento;
2. Protocolar na Secretaria Municipal de Saúde ou Comitê Municipal de Gestão da Pandemia o projeto e o pedido de autorização para realização do evento;
3. Após aprovado, apresentar as autorizações na Inspetoria Veterinária local, para cadastramento do evento

Por Kelvin Morais

Fonte: Rádio São Luiz