Fiscal Agropecuário alerta sobre como proceder em caso de recebimento de sementes não solicitadas do exterior

Amostras de sementes não solicitadas vindas do exterior foram recebidas no Rio Grande do Sul. (Foto: Divulgação/Seapdr)

Autoridades gaúchas estão preocupadas com o que pode estar por trás deste envio ainda não esclarecido

O Fiscal Agropecuário e engenheiro agrônomo, Alonso Duarte, falou na semana passada sobre a preocupação que o envio de sementes não solicitadas do exterior está causando nas autoridades brasileiras. Existem relatos de recebimento de grãos das formas mais inusitadas. Um dos casos, por exemplo, é de uma pessoa que comprou um tênis pela internet e recebeu junto, embaixo da palmilha, um pacote com os grãos.

Ainda não está esclarecido o que está pro trás da situação e, por isso, as autoridades consideram várias possibilidades, que podem ser desde uma brincadeira, algo pouco provável, até um cenário mais grave, que envolveria um agente biológico para causar danos ao agronegócio brasileiro.

A origem das sementes também é incerta, mas já foram encontradas emissões da Suécia, Hong Kong, Pequim e Taiwan. A China, inclusive, emitiu nota informando que o selo usado na exportação de lá era falso, por isso ainda não é possível ter ideia de onde veio e qual a intenção.

Alonso alerta que se a pessoa receber este pacote deve imediatamente entrar em contato com a Inspetoria Veterinária sem violar a embalagem, sob o risco de disseminar pragas ou patógenos que trariam prejuízos de grande importância para o Brasil. Como exemplo, o agrônomo lembrou um episódio na Bahia, quando um fungo chamado de “vassoura-de-bruxa” – que ninguém sabe como entrou – praticamente dizimou a cadeia produtiva de cacau. A recuperação levou quase trinta anos.

A orientação, portanto, é que caso percebam alguma embalagem semelhante entrem em contato com as autoridades. O telefone da 17ª Supervisão Regional, em São Luiz Gonzaga, é (55) 3352-1790. Nos demais municípios o contato pode ser feito diretamente com as inspetorias veterinárias.

Fonte: Rádio São Luiz