Modelo de comercialização por drive-thru pode ser expandido para outras regiões do estado, destaca presidente da Fetag

(Foto: Ilustrativa/Divinews)

Agricultura familiar vem sofrendo com a ausência das feiras. Formato adotado na Expointer pode ganhar espaço

O presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva, falou nesta semana sobre a adaptação das feiras da agricultura familiar para participarem da Expointer, que neste ano ocorre de forma atípica e com a maioria dos acontecimentos de forma digital. Ele explicou que foi elaborado um modelo de drive-thru, que permitirá aos frequentadores fazerem suas compras passando pelos estandes com o carro.

O modelo será avaliado e há possibilidade que possa ser estendido para outras regiões do estado. Outra novidade que surge a partir dessa parceria com a Secretaria de Agricultura do Estado – e com chance de expansão – é o ambiente virtual de negócios, que permitirá vendas pelo WhatsApp e entregas a domicílio.

Joel destaca que a ausência de feiras por conta da pandemia vem prejudicando muito as agroindústrias, especialmente aquelas que comercializam produtos mais perecíveis como gêneros de panificação e embutidos, pois com a menor duração fica mais difícil encontrar mercado fora da sua localidade. Por outro lado, o presidente comentou que algumas têm mais facilidade como as que trabalham com sucos, cachaça, vinhos e mel, cujo mercado é mais consolidado.

Reforma

Na oportunidade, Joel falou sobre a retirada da proposta de reforma apresentada pelo Estado, argumentando que no entendimento da Fetag o texto se resumia ao aumento de impostos e que é preciso corrigir outros problemas como a sonegação antes de encaminhar novas taxações. Outro ponto abordado pelo presidente, em tom crítico, foi o retorno das agências do INSS. Ele lamentou que poucos peritos tenham voltado e exigiu respeito com o contribuinte. Por fim, orientou que o agricultor familiar, antes de se dirigir a uma agência do INSS, procure o sindicato.

Fonte: Rádio São Luiz