Dia Nacional do Rádio: Em tempos de pandemia, veículo se reinventa

(Imagem: Divulgação)

Cerca de 9 mil emissoras de rádio operam no país. Fundada em 1949, Rádio São Luiz é uma das pioneiras na radiofonia gaúcha

Para aqueles que apostavam no fim do rádio, 2020 está sendo mais uma demonstração da capacidade desse veículo de se reinventar. Durante a fase mais aguda da pandemia do coronavírus, o rádio foi companheiro de isolamento social, fonte de informação e até professor.

A crise sanitária despertou a retomada de interesse por fontes confiáveis de informação e, por isso, o consumo de rádio aumentou no período. Pesquisa do Ibope revelou que 74% dos ouvintes afirmaram que estavam mantendo ou aumentando o consumo do meio durante o isolamento.

Os ouvintes revelaram que os motivos para consumir o meio se deram pelas buscas por informação e entretenimento, seja para se distrair ou para ouvir músicas. Essas intenções foram as que mais se destacaram na pesquisa.

Comentários projetando o “fim do rádio” não são de hoje. Foi assim com o surgimento da TV e agora com a internet, mas os dados mostram o contrário. A São Luiz, por exemplo, além da potência de 10 mil watts na frequência modulada (FM), possui uma grande interação nas redes sociais. Os perfis da emissora somam mais de 60 mil seguidores. A internet, na realidade, tornou-se um aliado das emissoras de rádio que continuam sendo, especialmente nos municípios distantes dos grandes centros, a principal fonte de informação local.

É essa variedade de formatos e conteúdos que faz com que o rádio seja esse companheiro apaixonante. Feliz Dia Nacional do Rádio!

Fonte: Kantar/Ibope