Polícia Civil realiza vistoria em “ferros-velhos” em busca de fios de telefonia adquiridos de forma ilícita

(Fotos: Divulgação/PC)

Em dois estabelecimentos foram encontrados os fios. O furto vem causando grande prejuízo para a empresa responsável, bem como para as pessoas que utilizam os serviços de telefonia e internet

Na quinta-feira (22) passada, a Polícia Civil, em ação do DEIC (Departamento Estadual de Investigações Criminais), com auxílio da Delegacia de polícia de São Luiz Gonzaga, deflagrou a Operação Metal. Foram realizadas vistorias em seis estabelecimentos comerciais denominados “ferros-velhos”, em São Luiz Gonzaga, a fim de buscar fios de telefonia que pudessem ter sido adquiridos de forma ilícita. Em dois estabelecimentos, foram localizados os fios de telefonia que se buscava e os proprietários conduzidos até a Delegacia para lavratura de ocorrência por receptação, tendo em vista que funcionários da empresa Oi, que acompanhavam a diligência, reconheceram os objetos como sendo pertencentes à empresa de telefonia.
Os fios de telefonia têm sido bastante furtados nas últimas semanas, causando um grande prejuízo para a empresa responsável, bem como para as pessoas que utilizam os serviços de telefonia e internet.

Saliente-se que a fiscalização de estabelecimentos empresariais que comercializam peças de carros usados bem como adquirem produtos para reciclagem é atribuição da Polícia Civil e, de forma constante, as Delegacias circunscritas à 27ª Região Policial de São Luiz Gonzaga que tenham algum comércio em seus municípios, estarão desenvolvendo ações com vistas a verificar a procedência de todos os materiais. Se houver desacordo com as formas legais de aquisição, poderá haver responsabilização pelo delito de receptação, ou culposa, em casos de a sucata, por sua natureza ou pela desproporção entre o valor e o preço, ou pela condição de quem a oferece, deva presumir-se obtida por meio criminoso com pena de detenção de um mês a um ano ou multa, ou ambas as penas ou receptação qualificada, se a aquisição se der no exercício de atividade comercial ou industrial de coisa que deve saber ser produto de crime (no caso furto), cuja pena, nesse caso, é de reclusão, de três a oito anos, e multa.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Polícia Civil