Coopatrigo está mais uma vez na lista das maiores empresas do Rio Grande do Sul

(Divulgação)

A colunista Giane Guerra, do Jornal Zero Hora, divulgou a relação das empresas que ultrapassaram a marca de R$1 bilhão de faturamento tendo como base o ano de 2019.

A Coopatrigo figura na posição de número 37, com R$1,289 bilhão de faturamento, sendo o segundo ano consecutivo que a cooperativa de São Luiz Gonzaga aparece neste ranking, que é chamado de “Clube do Bilhão” pela colunista, mas é baseado na pesquisa que é realizada há vários anos pela Revista Amanhã e a empresa PWC.

O presidente da Coopatrigo, Ivo Batista, recebeu com satisfação a divulgação desta informação e divide o êxito que a cooperativa vem tendo com o Conselho de Administração, associados e colaboradores.

“A presença da Coopatrigo nestes rankings de revistas empresariais é um orgulho para todos os municípios em que estamos atuando, pois são poucas as empresas que estão nesta lista que estão fora dos grandes centros empresarias e industriais do Rio Grande do Sul, como as regiões serrana e metropolitana”, afirmou Ivo Batista.

O presidente da Coopatrigo disse que em 2020, ainda faltando o faturamento do mês de dezembro, o faturamento vai superar o de 2019, mesmo com todas as adversidades impostas pelas frustrações nas safras de soja e trigo e também pelas dificuldades comerciais impostas pela pandemia do Covid-19. “Deveremos fechar este ano com um faturamento entre R$1,3 e R$1,4 bilhão, o que devemos comemorar, pois foi e está sendo um ano extremamente difícil, mas a união dos associados em torno da sua cooperativa, comprando seus insumos, entregando sua produção e fazendo seus negócios com a empresa que é sua, continua sendo a diferença e fazendo com que momentos difíceis sejam superados”, complementou Ivo Batista.

Esta é a lista das 45 empresas que, segundo a colunista, compõem o “Clube do Bilhão” no Rio Grande do Sul:

  1. Yara Fertilizantes: R$ 15,107 bilhões
  2. Sicredi: R$ 12,739 bilhões
  3. Lojas Renner: R$ 9,588 bilhões
  4. Banrisul: R$ 9,105 bilhões
  5. RGE Sul: R$ 7,980 bilhões
  6. Camil Alimentos: R$ 5,396 bilhões
  7. Randon: R$ 5,092 bilhões
  8. Rodoil: R$ 4,418 bilhões
  9. CEEE: R$ 4,385 bilhões
  10. Marcopolo: R$ 4,314 bilhões
  11. Bianchini: R$ 4,181 bilhões
  12. CMPC: R$ 4,018 bilhões
  13. Évora: R$ 3,976 bilhões
  14. Tramontina: R$ 3,882 bilhões
  15. SLC: R$ 3,121 bilhões
  16. BSBios: R$ 3,016 bilhões
  17. Unimed Porto Alegre: R$ 2,919 bilhões
  18. Corsan: R$ 2,849 bilhões
  19. Getnet: R$ 2,788 bilhões
  20. Calçados Beira Rio: R$ 2,771 bilhões
  21. Dimed (Panvel): R$ 2,724 bilhões
  22. Oleoplan: R$ 2,661 bilhões
  23. Ferrarin: R$ 2,259 bilhão
  24. Refinaria de Petróleo Riograndense: R$ 2,156 bilhões
  25. Grendene: R$ 2,071 bilhões
  26. Unidasul: R$ 1,948 bilhão
  27. Cotrisal: R$ 1,858 bilhão
  28. Paludo: R$ R$ 1,680 bilhão
  29. Olfar: R$ 1,635 bilhão
  30. Agibank: R$ 1,569 bilhão
  31. Alibem: R$ 1,502 bilhão
  32. Grupo Vibra: R$ 1,418 bilhão
  33. Thyssenkrup: R$ 1,356 bilhão
  34. BRDE: R$ 1,345 bilhão
  35. Lojas Quero-Quero: R$ 1,344 bilhão
  36. Languiru: R$ 1,3 bilhão
  37. Coopatrigo: R$ 1,289 bilhão
  38. Josapar: R$ 1,318 bilhão
  39. Colombo: R$ 1,212 bilhão
  40. Themar: R$ 1,19 bilhão
  41. Coagrisol: R$ 1,14 bilhão
  42. Panatlântica: R$ 1,05 bilhão
  43. Inbetta: R$ 1,046 bilhão
  44. Santa Casa: R$ 1,037 bilhão
  45. Stara: R$ 1,016 bilhão

Por Roberto Marques – Assessor de Comunicação Coopatrigo