Vereadora Rose Grings fala sobre compromissos de campanha e faz projeções para o primeiro semestre

(Foto: Kelvin Morais/Rádio São Luiz)

Ela também comenta a conquista de emenda parlamentar para construção de pórtico

A vereadora Rose Grings (PP) falou nesta terça-feira, 12, sobre as primeiras ações no legislativo são-luizense. Formada em Assistência Social, ela tem observado que a função de parlamentar “vem ao encontro de sua profissão, cuja finalidade é assistir as pessoas”.

Rose explicou que no seu entendimento, além de aprovar leis, fiscalizar e propor, o papel do legislativo é ser o elo entre a sociedade e o executivo. Nesse sentido, o seu gabinete móvel – que tem visitas nas terças e quintas-feiras – busca cumprir um dos compromissos da campanha que é estar presente na comunidade.

Ela entende que não será possível manter uma agenda fixa nos dias de visitas, até por ser necessário agendamento e uma pauta definida, mas afirmou que vai percorrer as comunidades urbanas e também do interior, onde as demandas estão direcionadas para as estradas. Outro foco da vereadora é a reativação e valorização dos Clubes de Mães já existentes. “É por meio deles que chegamos ao núcleo familiar. A mulher tem um olhar diferenciado e vai trazer ações que darão força para toda a comunidade”, destacou.

Fortemente ligada ao turismo e a cultura, Rose também comemorou o recebimento de emenda do deputado federal Pedro Westphalen para construção do “sonhado pórtico”. Ela destaca que será importante para valorizar a cidade e desenvolver o turismo. A vereadora adiantou que agora está buscando emenda para o fundo municipal de cultura, com objetivo de valorizar as entidades culturais que trabalham em prol da comunidade.

Rose falou ainda sobre Luiza Caterine, que é a nova Secretária de Turismo e Cultura, destacando que “ela conhece a nossa cultura, estuda o nosso turismo e junto de muitas mãos fará um excelente trabalho”.

Por fim, a vereadora comentou sobre o cenário de incerteza nestes primeiros meses do ano. Rose pediu paciência, pois no primeiro semestre haverá mais dificuldade para investimentos em novas obras, principalmente porque o foco está voltado para a saúde e a vacina contra a covid-19.

Fonte: Rádio São Luiz