Presidente da Famurs comemora chegada das vacinas e comenta pedido para inclusão de professores no grupo prioritário

(Divulgação)

Maneco adiantou que a demanda sobre os docentes foi bem recebida pelo governador do Estado

O presidente da Famurs, Maneco Hassen, falou hoje, 19, durante entrevista para a São Luiz, sobre o “dia histórico” vivido ontem pelo Estado. Maneco disse que o ato enche a comunidade gaúcha de “expectativa, alegria e esperança”. “São 10 meses com muitas perdas para todos nós e agora surge a esperança de sairmos o mais rápido possível dessa situação”, comemorou.

O gestor falou que hoje, ao longo do dia, a Secretaria de Saúde deve concluir o processo de distribuição dos imunizantes para as 18 regionais. É após essa etapa que as vacinas chegarão aos municípios. “É necessário paciência, pois nessa primeira etapa só conseguiremos vacinar um terço da população da saúde”, explicou Maneco. Ele também lamentou por ainda não haver um cronograma com data para novas levas, mas enfatizou que o importante é que processo iniciou.

Outro ponto ressaltado pelo presidente é que os municípios estão todos preparados para iniciar a vacinação, seguindo as prioridades estabelecidas: profissionais da saúde, idosos (em lares de longa permanência), indígenas e quilombolas. “Reforço que não chegará a todos do primeiro grupo, a tarefa agora é buscar a segunda e a terceira leva de vacinas”, comentou.

Maneco falou ainda sobre o pedido da Famurs para incluir os professores no grupo prioritário. O político disse que o pedido foi bem recebido pelo governador, mas que também depende das novas doses. “A demanda está acolhida, o problema é com a quantidade de doses. A solicitação é importante principalmente por causa do debate que inicia na semana que vem sobre a volta às aulas”.

Questionado se os municípios gaúchos teriam condições de comprar vacinas com recursos próprios, ele enfatizou que “a grande maioria dos municípios está preparada para colocar recursos se for necessário, mas acredita que não será mais necessário, pois o governo federal, após pressões, começou cumprir com suas responsabilidades”.

Fonte: Rádio São Luiz