Risco de faltar oxigênio exigiu transferência de cinco pacientes da Ala Covid do Hospital São Luiz Gonzaga

(Ilustrativa/Divulgação)

A direção do Hospital São Luiz Gonzaga passou por momentos de muita apreensão nas últimas 24h. Ontem, 3, o aumento considerável no consumo de oxigênio exigiu o desdobramento das equipes para transferir alguns pacientes para outros locais devido ao risco de o suporte se esgotar.

Conforme o boletim do HSLG havia 18 pacientes na Ala Covid e destes 14 necessitando do uso do suporte de oxigênio. A demanda aumentou de forma importante e o reabastecimento só ocorreria hoje.

Como lembrou o diretor técnico do hospital, dr José Renato Grisolia, a situação vem sendo alertada desde novembro, pois há falta de insumo no mercado.  “Essa doença é assim, hoje tu tem todos os cilindros cheios e dali a pouco já está precisando comprar mais. Como pela nossa conta não chegaríamos até hoje com a reserva que tínhamos à disposição tratamos de conseguir mandar alguns pacientes para hospitais vizinhos. Como nenhum precisava de UTI, somente oxigênio, é mais fácil de ter a transferência, felizmente”, explicou o médico.

O bom relacionamento com outras unidades da região permitiu que três internados fossem transferidos para o Hospital Unimed, em Santo Ângelo, e dois para Santa Rosa. “O presidente da Unimed, dr Roberto Valandro, na mesma hora me socorreu e mandou as ambulâncias do SOS buscar os pacientes que podiam ir para o hospital da Unimed e inclusive se colocou à disposição para mandar cilindros cheios para nos socorrer. Felizmente, enquanto fazíamos as tratativas de transferência, conseguimos um pouco de oxigênio de um caminhão que estava abastecendo Cerro Largo; nos deixaram 21 cilindros cheios”, relatou José Renato.

Hoje o Hospital São Luiz Gonzaga completará sua carga de oxigênio com o que já está comprado, mas José Renato – que desde novembro do ano passado alerta para cenários como este – desabafa que “enquanto não pararem junções clandestinas vai ser isto aí”.

Fonte: Rádio São Luiz