Número de hospitalizações na ala covid do HSLG ainda segue alta

(Divulgação)

Na atualização da manhã desta terça-feira, 9, o Hospital São Luiz Gonzaga registrava 22 internações na Ala Covid, uma sensível melhora diante do pico vivido nos últimos dias. O número, no entanto, segue alto e oscila a todo o momento.

Conforme o diretor técnico do hospital, doutor José Renato Grisolia, um paciente aguarda por leito de UTI em ventilação mecânica. Encontrar o local segue muito difícil. “É um paciente de 48 anos, que não era para estar passando por esse tipo de gravidade”, avaliou.

José Renato falou ainda sobre a escassez de insumos, como os anestésicos. Outro hospital, por exemplo, chegou entrar em contato pedindo emprestado ao HSLG, o que não foi possível. O medicamento é vital para intubação de pacientes.

O médico comemorou o início da construção de uma central para oxigênio, mas frisou que levará umas três semanas para ficar pronta e que a dificuldade de conseguir o insumo ainda é grande. Ele ainda avaliou o comportamento da doença nos últimos dias e adiantou que não há como prever quando chegaremos a uma estabilização, mas expos um dado divulgado pelo governo de que a velocidade de aumento de casos teria reduzido.

José Renato encerrou reforçando mais uma vez a importância das medidas de prevenção ao contágio para que este período mais agudo da pandemia possa passar mais rápido e alertou que quanto mais casos maior é a chance de contagiar pessoas que terão quadros graves. Ele ainda criticou as notícias falsas de que o hospital estaria faturando em cima de pacientes com o vírus e explicou que o SUS paga R$ 300,00 a mais que a média das internações clínicas normais por paciente internado pela covid-19 por todo o período, ou seja, é fixo e não diária, um valor que não cobre nem o oxigênio consumido. “Se não fosse o auxílio da Câmara, do COIS e do Município eu não sei o que seria”, concluiu.

Fonte: Rádio São Luiz