Mario Trindade fala sobre dificuldades enfrentadas por músicos e trabalhadores autônomos diante da pandemia

(Divulgação/Câmara de Vereadores)

A grave situação enfrentada no país atinge, principalmente, os desempregados e trabalhadores informais, é o que avalia o vereador Mario Trindade. Presidente da Comissão de Bem Estar Social, Mario destaca que a destinação de R$ 60 mil da Câmara de Vereadores para a Secretaria de Ação Social comprar cestas-básicas vai ajudar amenizar, mas ainda não resolve.

“Só para ter uma ideia hoje são 450 pessoas na extrema necessidade. É urgente. As pessoas que trabalham de ‘chapa’, por conta, parou tudo”, disse ele.

Mario é muito ligado ao setor dos músicos e relatou o cenário de incertezas vivido pelos artistas. “Já vai para dois anos parados e tem gente vendendo instrumento para pagar uma conta de água e luz. Ao longo da trajetória fizeram um investimento, pegaram um empréstimo, compraram um carrinho, a casa própria, mas agora não podem trabalhar e nem se encaixam para receber auxílio, uma cesta-básica”, destacou.

O vereador avaliou que o momento também serve para uma reflexão, pois ele entende que a categoria precisa ser mais unida. Ele citou, por exemplo, a extinção da ordem dos músicos, e como isso acaba excluindo qualquer possibilidade de direitos. “A gente precisa se unir, dialogar, achar um meio termo até para lá na frente tentar uma aposentadoria. Não fizemos nada para melhorar, precisamos deixar de viver num mundo pequeno ‘do cada um por si’”, comentou.

Mário falou ainda sobre a verba para o hospital e o empenho dos vereadores para apoiar o município, se for o caso, na compra de vacinas contra a covid-19. Ele disse que “o momento não é de fazer política, mas ter mente e coração aberto para ajudar a administração municipal para que as coisas aconteçam e os parlamentares possam contribuir”.

O vereador e ex-vice-prefeito comentou também o pedido de impeachment entregue nesta semana na Câmara de Vereadores, o qual faz menção ao seu nome por causa da assinatura em documentos da execução da obra na estrada do acesso ao Rincão de São Pedro. Mário disse “que fica nervoso, pois é algo que aparece no momento que tu não espera, mas que entende que cada cidadão tem uma maneira de ver as coisas”. “Estou com a consciência tranquila, sempre fui abençoado por Deus, minha família é religiosa e sempre me ensinou a trilhar o caminho do bem; tenho total confiança na assessoria jurídica, nos engenheiros competentes, no prefeito Sidney. Tenho certeza que jamais deixariam algo para eu assinar que não estivesse correto. Tenho a consciência limpa e sempre procurei dar o máximo em prol do município”, concluiu.

Fonte: Rádio São Luiz