Ivo de Souza Batista fala sobre encerramento de um ciclo de 23 anos na Coopatrigo

(Arquivo/Rádio São Luiz)

Ele foi um dos responsáveis pela “virada” da cooperativa em um dos momentos mais dramáticos da entidade

Após 23 anos à frente da Coopatrigo, Ivo de Souza Batista vai deixar a presidência da cooperativa. Nesta quinta-feira, 25, ele passa o cargo que exerceu nos últimos oito anos para Paulo Cezar Vieira Pires.

Em entrevista para a São Luiz, Ivo relembrou a trajetória iniciada em 1998, destacando que logo que assumiu a Coopatrigo “estava praticamente arrasada”. Ele explicou que a situação econômica era muito difícil, mas que com a dedicação dos companheiros da época conseguiu fazer com que os associados, entidades, bancos voltassem a confiar na instituição. Tudo deu certo e o cenário de quatro anos no negativo foi revertido nos primeiros doze meses. De lá para cá o crescimento é constante.

O presidente falou que muitas das mudanças colocadas em prática foram tomadas ouvindo os associados, colaboradores e a comunidade. Enfatizou a participação nos resultados, ou seja, a divisão dos lucros com os associados.

Segundo Ivo, de 2013 para cá a Coopatrigo é uma das cooperativas que mais investiu e cresceu no estado. A expansão e construção de novas unidades são marcos do período. “Construímos unidades nos municípios que não tinham e aumentamos onde já tinha. Investimos em lojas de consumo, veterinária, insumos, depósitos, fábrica de ração”, lembrou Ivo, que também destacou o surgimento dos modernos centros agropecuários em São Luiz Gonzaga e Santiago.

A maior aquisição e um grande marco do período é a antiga Cesa, que estava abandonada pelo governo estadual. Ivo lembra que a negociação foi demorada, mas que terminou com a cooperativa conseguindo comprar por preço menor que estava no leilão.

Atualmente as novas instalações já estão funcionando e servindo a sociedade como um todo. Ivo só lamenta não ter conseguido realizar o ato inaugural que pretendia, com autoridades, associados, funcionários, entidades, por causa da pandemia de coronavírus.

Sensibilizado com todas as homenagens que recebeu dos diversos setores da sociedade desde que anunciou que não concorreria, Ivo disse que agora vai se dedicar mais à sua propriedade e cuidar da saúde. “Vou ter tempo de conversar mais com meus colaboradores. Meu capataz está comigo há mais de 30 anos, outros têm mais de 25 (anos). São pessoas que eu confio. Vou conseguir resolver os problemas da granja com mais calma, ficar com a família e diminuir o ritmo. Aqui é desgastante, preciso cuidar muita da saúde. Fico com muitas amizades em toda a área de ação da cooperativa”, concluiu.

Por Kelvin Morais

Fonte: Rádio São Luiz