Ícone do site Rádio São Luiz FM 100.9

Caso de varíola dos macacos é diagnosticado em homem de Santo Ângelo

(Foto: Divulgação)

O Secretário de Saúde de Santo Ângelo, médico Flávio Christensen, confirmou para a imprensa local que o município santo-angelense registrou o primeiro caso de varíola dos macacos (Monkeypox). O resultado foi divulgado pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-RS) na manhã desta terça-feira, 09.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

O paciente é do sexo masculino e teria viajado recentemente aos Estados Unidos. Ele não necessitou de internação e se recupera em casa. A Secretaria de Saúde realiza o monitoramento dos familiares do paciente e todos estariam assintomáticos.

Ele apresentou “sintomas de cansaço, dores nas pernas e num segundo momento apareceram bolhas na pele, quando foi realizado o exame que confirmou a doença”. É o primeiro caso na região.

O que diz o Ministério da Saúde

A Monkeypox é uma doença causada pelo vírus Monkeypox do gênero Orthopoxvirus e família Poxviridae. O nome deriva da espécie em que a doença foi inicialmente descrita em 1958. Trata-se de uma doença zoonótica viral, em que sua transmissão para humanos pode ocorrer por meio do contato com animal ou humano infectado ou com material corporal humano contendo o vírus. Apesar do nome, é importante destacar que os primatas não humanos não são reservatórios do vírus da varíola. Embora o reservatório seja desconhecido, os principais candidatos são pequenos roedores (p. ex., esquilos) nas florestas tropicais da África, principalmente na África Ocidental e Central. O Monkeypox é comumente encontrado nessas regiões e pessoas com a doença são ocasionalmente identificadas fora delas, normalmente relacionadas a viagens para áreas onde a Monkeypox é endêmica.

A transmissão entre humanos ocorre principalmente por meio de contato pessoal com secreções respiratórias, lesões de pele de pessoas infectadas ou objetos recentemente contaminados. A erupção geralmente se desenvolve pelo rosto e depois se espalha para outras partes do corpo, incluindo os órgãos genitais. Os casos recentemente detectados apresentaram uma preponderância de lesões na área genital. A erupção cutânea passa por diferentes estágios e pode se parecer com varicela ou sífilis, antes de finalmente formar uma crosta, que depois cai. Quando a crosta desaparece, a pessoa deixa de infectar outras pessoas. A diferença na aparência com a varicela ou com a sífilis é a evolução uniforme das lesões.

A Organização Mundial da Saúde emitiu alerta sobre casos da doença em países não endemicos. Desta forma, em 23 de maio foi ativada Sala de Situação de Monkeypox, na Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde para coordenar a resposta aos casos prováveis da doença no país e organizar as ações relacionadas à vigilância e assistência à saúde. Esta estrutura permite detectar casos, avaliar os riscos e impactos à saúde e; monitorar e analisar os dados para subsidiar a tomada de decisão dos gestores e técnicos, nas orientações estratégicas adequadas e oportunas para o enfrentamento do evento de saúde pública.

Fonte: Rádio São Luiz com informações da Rádio Santo Ângelo e Ministério da Saúde

Sair da versão mobile