Ícone do site Rádio São Luiz FM 100.9

Curso de Pedagogia da UERGS realiza viagem de estudo

Foto: Divulgação

Finalizando as viagens de estudo no ano de 2022, o Curso de Graduação em Pedagogia – Licenciatura da Unidade Universitária da Uergs em São Luiz Gonzaga realizou mais uma viagem técnica de estudos e pesquisas integrada ao Componente Curricular de Educação Indígena, do Campo e Quilombola. No dia 23 de novembro, a turma visitou a Escola Estadual Indígena de Ensino Fundamental – EEIEF Yvyra’ijá Tenondé Verá Miri– Santa Maria – RS e Escola Estadual de Ensino Municipal de Ensino Fundamental Manuel Albino Carvalho – Restinga Seca – RS, acompanhados das professoras Arisa Araujo da Luz e Viviane Maciel Machado Maurente.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

As duas escolas receberam a UERGS de forma comprometida e muito cordial, trazendo a história de criação da escola, a população e as lutas para mantê-las como referência em suas localidades. As duas direções das escolas, na sua forma de agir, apresentaram as conquistas, desafios e o envolvimento com a comunidade do campo e quilombola e/ou indígena. Na EEIEF Yvyra’ijá Tenondé Verá Miri a turma foi recebida pela direção e professores da escola e pelo Cacique que acompanhou parte das explanações e o envolvimento com o reconhecimento da escola na aldeia.

Esta viagem de estudo teve como objetivo identificar a formação de professores e a constituição interétnica da cultura brasileira nas escolas em seus espaços em suas propostas pedagógicas; compreender a constituição intercultural brasileira e sua interface com a educação: um olhar a cultura indígena, quilombola e população do campo; perceber as diferenças, os desafios e as similaridades nas práticas docentes nas escolas pesquisadas e nos espaços físicos vivenciados.

Ao finalizar o Componente Curricular de Educação Indígena, do Campo e Quilombola, com a turma de 2020, em afirmação após os estudos e visitas, a acadêmica Valéria Morais completa: “Estudar e pesquisar o viés correto da história é nosso dever enquanto acadêmicos, professores e até mesmo brasileiros, pois por muitos anos a versão que nos foi passada em relação aos povos originários e “descoberta” do Brasil, foram distorcidas e errôneas. A busca pela verdade e disseminação dela é de suma importância aos nossos alunos, para ensinar aos descendentes desta história o respeito às diferenças e as culturas que nos constituem brasileiros, o quanto deveríamos ser gratos por estes povos que contribuíram de várias maneiras para o Brasil de hoje, com suas crenças, religiões e muita sabedoria”.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Sair da versão mobile