Presidente da Coopatrigo e da Fecoagro comenta anúncio do Plano Safra

Foto: Arquivo/Rádio São Luiz

O presidente da Coopatrigo e da Fecoagro, Paulo Pires, falou nesta quarta-feira, 28, sobre o anúncio do Plano Safra. Como representante do setor, ele destacou alguns pontos positivos e expressou suas preocupações em relação a outros aspectos do plano.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

Um dos pontos positivos mencionados por ele é a mudança na exigibilidade de direcionamento dos Recursos Obrigatórios para as operações de crédito rural nas instituições financeiras, que passará de 25% para 30% em recursos obrigatórios. Essa medida é considerada essencial para o setor, pois nos últimos tempos essa porcentagem vinha caindo. Ele ressalta que, embora 71% do financiamento do agronegócio brasileiro não esteja diretamente ligado ao Plano Safra, essa referência é de grande importância para o setor. Portanto, é fundamental que o plano seja robusto e representativo.

Paulo Pires também destacou o aumento de recursos no Plano Safra. No entanto, ele comentou como ponto negativo a falta de menção ao seguro agrícola.

Outro tema foi a questão dos juros. O presidente mencionou que, embora haja expectativas de redução dos juros no futuro, atualmente muitos produtores ainda estão enfrentando altas taxas. Ele reconheceu os esforços do governo para manter as taxas nesse patamar.

Ao avaliar o Plano Safra, Paulo Pires afirmou que considera esse o plano possível. Ele usou tom de cautela, devido à queda dos preços dos produtos agrícolas e à questão dos juros, que gera preocupações no setor. No entanto, ele enfatizou que essa é uma situação que afeta o mundo todo neste momento.

Fonte: Rádio São Luiz