Gestores das Missões buscam recursos durante a Marcha dos Prefeitos em Brasília

Gestores participam de reuniões e discussões na capital federal – Foto: Rádio São Luiz

Gestores da região das Missões estiveram presentes na abertura da 25ª Marcha dos Prefeitos. O evento teve início nesta terça-feira, 21 de maio, em Brasília e é organizado pela Confederação Nacional de Municípios (CNM). A expectativa até quinta-feira é de cerca de 10 mil gestores participem das atividades da marcha. A Rádio São Luiz FM 100.9 realiza a cobertura diretamente da capital federal.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

Entre as principais pautas a serem discutidas estão a renegociação de dívidas previdenciárias dos municípios e a desoneração da folha salarial. Representante da Associação dos Municípios das Missões (AMM) no movimento, o prefeito de Bossoroca José Moacir Fabrício (Juca) Dutra (PP) comentou sobre as medidas de auxílio para a recuperação dos municípios gaúchos atingidos pelas enchentes.

Juca Dutra ressaltou a necessidade de apoio do governo federal na reconstrução do estado, principalmente com as empresas e a questão econômica. Por conta do fechamento do aeroporto Salgado Filho em Porto Alegre, os prefeitos e gestores da região e do estado enfrentaram dificuldades logísticas para chegar a Brasília.

De acordo com o prefeito de Mato Queimado, Joaquim Bourscheidt (MDB), as reuniões e debates da marcha são importantes para buscar recursos e políticas públicas para o estado e a região missioneira. “A expectativa é que consigamos alcançar as metas nessa marcha”, acrescentou.

Nesta terça, estiveram presentes os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) e da e da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), além do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que discursou no evento. Na avaliação do prefeito de Caibaté, Amauri Pires da Silva (PP), a indicação do governo de que não faltarão recursos para reconstruir o estado é positiva.

Durante entrevista na Marcha dos Prefeitos, Amauri abordou a expectativa com outros programas do governo, como o Minha Casa Minha Vida e a questão da desoneração da folha salarial dos municípios. O gestor lembrou que o impacto econômico do desastre climático atinge até mesmo os municípios da região que não registraram danos diretos pelas enchentes. O prefeito também falou sobre o cancelamento da 11° Facic em solidariedade às vítimas do desastre.

Presente para representar o município de São Pedro do Butiá, Valter Seibert (PT) comentou sobre a importância do movimento em conjunto dos gestores, principalmente neste momento de calamidade pública. Valter explicou o funcionamento das plenárias e atividades que integram o evento. O gestor detalhou a decisão de não decretar situação de emergência no município, uma vez que São Pedro do Butiá não registrou perdas significativas a este ponto.

Fonte: Rádio São Luiz