Bohn Gass defende ações do governo federal no Rio Grande do Sul e rebate críticas da oposição

Foto: Assessoria de Imprensa Dep. Bohn Gass

O deputado federal Elvino Bohn Gass, do Partido dos Trabalhadores (PT), participou do programa Olho Vivo nesta quarta-feira, 5, para comentar sobre as ações do governo federal no enfrentamento da tragédia climática que atingiu o Rio Grande do Sul, fazer projeções sobre o processo de reconstrução e rebater as críticas da oposição sobre a condução das ações governamentais.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

Bohn Gass destacou que o presidente Lula visitará o estado pela quarta vez nesta quinta-feira, 6. A visita se concentrará em municípios como Cruzeiro e Lajeado, com o intuito de manifestar solidariedade e acompanhar o andamento do processo de reconstrução. A comitiva incluirá ministros e o coordenador das ações federais no estado, o ministro Paulo Pimenta.

Segundo o deputado, após a etapa inicial de salvar vidas, o governo está empenhado em socorrer os setores afetados. As ações incluem a prorrogação de dívidas dos agricultores, lançamento de crédito com juros quase zero, recursos para micro e pequenos empreendedores, e subsídios para grandes empresas. Além disso, haverá um pagamento extra do Fundo de Participação dos Municípios para aqueles em estado de calamidade.

Bohn Gass mencionou também a necessidade de investimentos em diques e casas de bombas, apontando falhas que diminuíram a proteção nas regiões afetadas, especialmente na região metropolitana. Na área do Aeroporto de Porto Alegre, por exemplo, ele acredita que a inundação poderia ter sido evitada se as bombas da prefeitura tivessem funcionado corretamente. Ele criticou a empresa concessionária do aeroporto, uma companhia alemã, pela falta de atuação imediata. “As empresas que ganham concessão quando têm lucro não repartem com o povo, quando tem prejuízo aí querem repartir ?”, questionou.

Por fim, o deputado rebateu as críticas da oposição, dizendo que ela não ajudou no momento de necessidade e que agora estaria dificultando a situação com notícias falsas. Bohn Gass argumentou que os dados mostram a inconsistência das críticas opositoras e afirmou que a reconstrução, especialmente na área de moradia, poderia ser mais rápida se programas como o Minha Casa Minha Vida não tivessem sido ‘destruídos’ pela gestão anterior.

Fonte: Rádio São Luiz