Rural

Regional Missões II segue em Brasília buscando melhores condições para o Plano Safra e Proagro

Foto: Freepik

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Roque Gonzales e presidente da Regional Missões II, Márcio Langer, está em Brasília com a Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul tratando sobre o Plano Safra e o Proagro.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

Em entrevista nesta sexta-feira, 14, o líder sindical explicou que mesmo depois do Grito da Terra, realizado em maio, o setor seguiu mobilizado, buscando obter com o governo as melhores condições de taxas de juros e ferramentas de proteção antes do anúncio oficial dos programas.

A principal preocupação, conforme explicou Márcio, é com o Proagro, uma espécie de seguro do produtor. Os impactos ambientais dos últimos anos, seja com as secas ou com os excessos de chuvas, está refletindo na forma como o custo do programa está sendo apresentado, o que pode, em casos mais graves, até inviabilizar o plantio de algumas culturas.

A data provável do lançamento do Plano Safra e do Proagro é dia 25 de junho. Até lá, as lideranças, com apoio dos parlamentares ligados ao setor, seguem promovendo reuniões e abrindo canais de diálogo no intuito de sensibilizar e obter êxito na pauta.

Fonte: Rádio São Luiz

Parceria entre Supervisão Regional e UFSM identifica 291 propriedades afetadas pelas cheias

Divulgação/Google Maps

Gelson Marian, da Supervisão Regional de Agricultura, falou nesta quinta-feira, 13, sobre um trabalho de reconhecimento nas propriedades afetadas pelas cheias. Em parceria com a Universidade Federal de Santa Maria, um estudo via satélite identificou 291 propriedades com problemas na área de abrangência regional, que compreende 31 municípios, incluindo São Luiz Gonzaga.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

Com base nesse estudo, foi desenvolvido um aplicativo que os servidores da Supervisão utilizam para preencher formulários detalhados do levantamento de perdas durante as visitas in loco. Essa tecnologia facilita a coleta de dados, essencial para avaliar os danos e necessidades dos produtores afetados.

O trabalho, que continuará até o fim deste mês, atende a uma solicitação do governo do estado. O objetivo é usar essas informações para formular políticas públicas que possam beneficiar os produtores atingidos pelas cheias.

Fonte: Rádio São Luiz

Prazo para entrega da Declaração Anual de Rebanho é prorrogado até 31 de julho

Prazo anterior era até 14 de junho – Foto: Freepik/Ilustrativa

O prazo para que produtores entregam a Declaração Anual de Rebanho 2024 foi prorrogado para 31 de julho. A decisão foi publicada nesta quarta-feira, 11 de junho, e foi tomada por conta do desastre climático que atingiu o Rio Grande do Sul em maio, afetando sistemas da Procergs, incluindo o o Sistema de Defesa Agropecuária (SDA), por onde a declaração é feita.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

Através da Declaração, os produtores rurais detentores de animais devem preencher formulário com características gerais da propriedade, além de fornecer dados sobre cada tipo de espécie animal que seja criada no estabelecimento, como equinos, suínos, bovinos, aves, peixes, abelhas, entre outros. A entrega correta do documento é uma obrigação sanitária e facilita o controle de doenças no estado.

Desde o ano passado, a declaração pode ser feita diretamente pela internet, em módulo específico dentro do Produtor Online. O produtor também pode fazer o preenchimento nos formulários em PDF ou presencialmente nas Inspetorias ou Escritórios de Defesa Agropecuária, com auxílio dos servidores da Seapi e assinando digitalmente com sua senha do Produtor Online.

Em 2023, a declaração teve adesão de 84,19%, índice que se manteve condizente com a média de declarações de rebanho entregues nos anos anteriores. Mais informações estão disponíveis no site: www.agricultura.rs.gov.br/declaracao. Também é possível entrar em contato com a supervisão regional para buscar mais informações e orientações sobre o processo de elaboração da declaração. Telefone: (55) 3352-1790 – Localização: Rua Bento Soeiro de Souza, 2448 – São Luiz Gonzaga ou e-mail: [email protected].

Fonte: Rádio São Luiz com informações de Seapi/RS

Crédito com subvenção econômica está disponível para produtores

Foto: Freepik

Produtores enquadrados no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e no Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) podem procurar os escritórios municipais da Emater para o encaminhamento de novos financiamentos. As novas linhas de crédito estão disponíveis, oferecendo subvenção econômica em forma de desconto.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

Poderão fazer a solicitação os produtores inseridos em municípios que tenham a situação de calamidade e emergência homologada pelo governo federal. Além disso, é preciso que o prejuízo seja de mais de 30% de perda da estrutura produtiva da sua unidade de produção rural. O foco será em auxiliar aqueles com danos em máquinas, equipamentos, construções, instalações, animais e solos de produção (agrícola e pecuária).

O prazo para contratação dessa subvenção econômica em forma de desconto se encerra no mês de dezembro deste ano.

Fonte: Rádio São Luiz com informações da Emater

Senar e Sindicato Rural oferecem cursos de assistência técnica gratuita em São Luiz Gonzaga e região

Visitas técnicas são oferecidas de forma gratuita – Foto: Evelise Oliveira/Rádio São Luiz

O Senar RS está com cursos disponíveis para produtores rurais de São Luiz Gonzaga, Dezesseis de Novembro e Rolador. O objetivo é realizar visitas técnicas para auxiliar quem trabalha no campo. Em entrevista na manhã desta terça-feira, 11 de junho, a presidente do Sindicato Rural de São Luiz Gonzaga, Margarete Costa Beber, a responsável pela assistência no sindicato, Aline Sommer, e a médica veterinária e técnica de campo do Senar, Sulema Machado, explicaram detalhes sobre os cursos.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

Os cursos oferecidos pelo Senar são gratuitos e direto nas propriedades, com visitas individuais, no entanto, o número de pessoas em cada turma precisa ser de 30 pessoas. Os temas abordados vão desde a utilização de máquinas e insumos agrícolas, até curso sobre gado de corte, entre outros. Para participar, os interessados podem fazer contato diretamente com o Senar pelo telefone: (55) 3352 1209.

Conforme explicaram Aline e Sulema, os cursos buscam ajudar os agricultores com suas principais dificuldades e aumentar a renda. Ao se inscrever, os produtores passam a receber visitas mensais da técnica do Senar. Sulema ressaltou que o agendamento é feito com objetivo de otimizar o tempo, tirar dúvidas e fornecer informações aos agricultores. A previsão é que as visitas comecem em agosto.

Na entrevista, Margarete comentou sobre o esforço para trazer melhorias e tecnologias para alavancar a produção agrícola. “Como estamos enfrentando bastantes dificuldades, temos que ser bastante técnicos e objetivos”, ressaltou. A gestora também destacou a resiliência dos agricultores da região como um fator essencial, junto à assistência técnica.

A entrevista na íntegra está disponível no Facebook da Rádio São Luiz

Fonte: Rádio São Luiz

Inscrições abertas para o Programa Bolsa Juventude Rural

Foto: Secretaria de Desenvolvimento Rural

As inscrições para o Programa Bolsa Juventude Rural, da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), estão abertas até o dia 19 de julho. Estudantes do Ensino Médio, entre 15 e 29 anos, podem se inscrever a partir desta quinta-feira, 6, conforme autorização publicada no Diário Oficial do Estado (DOE).

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

O programa oferecerá 134 bolsas de R$ 300 mensais cada, por um período de 10 meses, a serem pagas a partir de julho de 2024. Das bolsas disponíveis, 67 serão destinadas a alunos do 2º ano e 67 a alunos do 3º ano do Ensino Médio.

O Bolsa Juventude Rural visa incentivar a permanência e o retorno dos jovens ao ensino médio, bem como criar condições para a permanência no meio rural. Podem se inscrever estudantes regularmente matriculados no 2º ou 3º ano do Ensino Médio em escolas públicas estaduais ou instituições que utilizem a Pedagogia da Alternância, método que promove a interação entre a vida no campo e o cotidiano dos estudantes.

Os interessados devem enviar a documentação necessária até 19 de julho de 2024. Mais informações podem ser obtidas no site da Secretaria de Desenvolvimento Rural (acesse aqui).

Fonte: Rádio São Luiz com informações da Secretaria de Desenvolvimento Rural 

Guias de Trânsito Animal voltam a ser emitidas pelo Sistema de Defesa Agropecuária

Foto: Canva

A emissão de Guias de Trânsito Animal (GTAs) voltou a ser feita diretamente pelo Sistema de Defesa Agropecuária (SDA), no site do Produtor Online. De acordo com a Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi) do Rio Grande do Sul, o site que havia ficado indisponível por conta da inundação da Procergs, em Porto Alegre, foi reestabelecido nesta quarta-feira, 29 de maio, às 12h.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

As GTAs podem ser emitidas por produtores e médicos veterinários habilitados no Sistema de Defesa Agropecuária (SDA). Antes, o órgão havia aberto a possibilidade emergencial de emissão pela Plataforma de Defesa Sanitária Animal (PDSA-RS), construído pela parceria mantida pela Seapi e a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Com a volta dos sistemas da Procergs, houve a migração dos dados de quase 60 mil GTAs emitidas desde o dia 8 de maio para o sistema original. Ainda segundo a Secretaria da Agricultura, por conta dessa transição, algumas propriedades podem apresentar bloqueio para a emissão de guias devido a variação de saldos de animais no sistema, que deverá ser regularizado pelos produtores junto às Inspetorias dos seus municípios.

A partir de agora estão liberadas as emissões de guias para todas as categorias, inclusive para o cadastro de eventos de todas as funcionalidades. Nesse primeiro momento não será solicitado o prazo mínimo para o cadastro, mas a partir do dia 15 de junho volta a ser exigido o prazo preconizado na legislação.

Fonte: Rádio São Luiz com informações da Seapi

Paulo Pires comenta situação da safra na região e estado após mês de chuvas intensas

Divulgação/FecoAgro

O presidente da Coopatrigo e Fecoagro (Federação das Cooperativas Agropecuárias do Rio Grande do Sul), Paulo Pires, concedeu entrevista na manhã desta terça-feira, 28 de maio, para falar sobre a projeção de redução na safra de soja por causa da tragédia climática no estado.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

Na conversa, Pires também comentou sobre as doações da cooperativa para a região mais afetada pelas chuvas e enchentes. Segundo ele, por meio dos colaboradores e associados teve início a campanha de arrecadação de doações para serem levadas de caminhão até os municípios afetados. “A solidariedade está no espírito das pessoas”, destacou o presidente, que agradeceu a mobilização dos colaboradores.

Sobre as dificuldades relacionadas a safra deste ano, o gestor lembrou que os gaúchos há praticamente um mês sem conseguir trabalhar por conta das chuvas frequentes. Apesar disso, em comparação com outros anos e “de forma geral, ainda temos uma excelente safra na região. No Rio Grande do Sul temos uma perda projetada de 20 a 21 milhões de toneladas”, descreveu Paulo Pires.

O presidente da Coopatrigo e Fecoagro ressaltou a importância da preservação do solo para a sustentabilidade da produção. Para os próximos meses, a preocupação é com as forragens de inverno, que estão com o plantio atrasado.

Por fim, outro tema tratado durante a entrevista foram as negociações entre a Coopatrigo e o supermercado Ponto Certo para uma parceria em São Luiz Gonzaga. Segundo disse Paulo Pires, a nova loja com a gestão da cooperativa deve ser inaugurada no dia 4 de junho.

Fonte: Rádio São Luiz

Chuvas fortes derrubam árvores e causam estragos nas estradas em Caibaté

Imagem mostra árvore caída após fortes chuvas – Foto: Divulgação//Prefeitura de Caibaté

As fortes chuvas que atingiram a região e o Estado nesta quinta-feira, 23 de maio, derrubaram árvores e causaram a interrupção de estradas em Caibaté. A presença de galhos e troncos caídos gerou problemas na RS-536 e no interior do município, na comunidade do Rincão dos Bastos. Em alguns locais o alto volume de chuva deixou bueiros e sarjetas entupidos.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

Ainda na madrugada de quinta e ao longo do dia, as equipes da secretaria da Agricultura e de Obras de Caibaté trabalharam para desobstruir as estradas e também na abertura de desaguadouros nas estradas, limpeza de sarjetas e desentupimento de bueiros, principalmente nas comunidades da Vista Alegre, Rincão dos Bastos e Costa do Forte.

Em nota, a prefeitura de Caibaté afirmou que segue monitorando a situação das estradas do interior e as condições climáticas no município e estado.

Equipes trabalham para recuperar as estradas – Foto: Divulgação/Prefeitura de Caibaté

Fonte: Rádio São Luiz

Prazo para granjas de suínos se adequarem a normas de biosseguridade é prorrogado até 2025

Foto: Canva/Ilustrativa

O prazo de adequação de granjas de suínos se adequem às normas estabelecidas na Instrução Normativa (IN) nº 10/2023 foi prorrogado até de março de 2025. A Instrução estabelece as diretrizes mínimas de biosseguridade nas granjas de suínos para fins comerciais e determinava o cumprimento das medidas até quarta-feira, 22 de maio. A extensão do prazo de ajuste ocorre por conta do estado de calamidade pública no Rio Grande do Sul.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

A alteração no prazo foi divulgada por meio de nova instrução publicada pela Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi), no Diário Oficial do Estado. De acordo com Fernando Groff, chefe da Divisão de Defesa Sanitária Animal da Seapi, as cadeias produtivas foram afetadas pelas enchentes, por isso, “se impõe a necessidade de uma adequação de prazos, sem prejuízo aos criadores que já providenciaram antecipadamente”.

Até 31 de março de 2025, a instrução define que as granjas façam as seguintes ações:

  • Elaborem plano de ação com cronograma para adequação da granja;

  • Possuam vestuário e calçados de uso exclusivo da granja ou descartáveis;

  • Possuam sistema de desinfecção de equipamentos e objetos que irão ingressar na granja comercial;

  • Utilizem apenas veículos limpos e desinfetados;

  • Impeçam acesso de outros animais na área interna da granja comercial;

  • Possuam reservatórios de água fechados, protegidos e limpos;

  • Realizem cloração ou processo equivalente, mantendo a potabilidade da água prevista em legislação;

  • Possuam programa de prevenção e controle de pragas em todas as

Já com relação as instalações, os produtores precisam cumprir o período de vazio sanitário para visitas e realizar registro de visitantes, além de possuir os registros auditáveis e demais documentos. As próximas etapas de adequação são os ajustes na cerca de isolamento da área interna, nas barreiras sanitárias, ajustes ou correção  da  composteira e no sistema de tratamento de dejetos. A última etapa é a construção de cercas de isolamento da área interna, barreiras sanitárias, embarcadouro/desembarcadouro junto à cerca de isolamento e colocação de tela nas aberturas de ventilação dos galpões de criação, caso a granja comercial ainda não possua estas adequações.

Fonte: Rádio São Luiz com informações da Seapi

Representantes dos agricultores da região fazem avaliação do Grito da Terra Brasil

Mobilização contou com presença de milhares de produtores de todo o Brasil – Foto: Luiz Oneide/Rádio São Luiz

Mobilização da agricultura familiar marca retomada do Grito da Terra Brasil. Em entrevista à Rádio São Luiz FM 100.9, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de São Luiz Gonzaga, Rafael Dalenogare e o coordenador da Sindical Regional Missões II, Márcio Langer, fizeram uma avaliação da 24° edição do evento, realizada em Brasília nesta segunda e terça-feira, 20 e 21 de maio.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

De acordo com Rafael Dalenogare, o tamanho da mobilização demonstra a força da agricultura familiar e a importância da reivindicação de políticas para o campo. Segundo ele, apesar de nem todos os anúncios terem atendido as demandas do movimento, a retomada da pressão e diferentes indicativos demonstram um caminho para buscar recursos e medidas de auxílio para o setor.

Na visão do coordenador da Regional Missões II, a burocracia e dificuldades orçamentárias dificultam a efetividade no atendimento das pautas da agricultura familiar. “Esse é um novo cenário que teremos de nos adaptar”, acrescentou. Durante o Grito, foram inúmeras demandas discutidas, desde questões de saúde e assistência para as famílias, até a questão do Plano Safra e outros programas de financiamento e seguro agrícola.

Um dos principais temas de preocupação dos produtores é com relação ao Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro). “Voltamos preocupados de Brasília em relação a esse”, disse. Márcio explicou que existem questões a serem discutidas com diferentes ministérios para facilitar o acesso e aumentar os incentivos do programa.

O representante da Sindical Missões II também comentou sobre a preocupação relacionada ao cadastro rural e o zoneamento de propriedades, bem como as questões climáticas e ambientais que têm afetado a produção no Estado. Márcio afirmou que é necessário cautela ao falar sobre uma mudança na matriz produtiva no Rio Grande do Sul.

“A grande esperança é que no Plano Safra tenhamos alguns encaminhamentos do que viemos buscando”, pontuou Rafael Dalenogare. Conforme avaliou o presidente do STR de São Luiz Gonzaga, os agricultores precisam mostrar sua insatisfação e suas demandas. Ambos os produtores ressaltaram a solidariedade prestada por agricultores de outros estados com a situação de calamidade enfrentada pelo Rio Grande do Sul.

A 24° edição do Grito da Terra contou com a participação de diferentes representantes da Macrorregião Missioneira, compondo a maior parte da comitiva gaúcha presente no evento. A Rádio São Luiz realizou a cobertura diretamente da capital federal, acompanhando diferentes atividades do movimento.

Fonte: Rádio São Luiz

Grito da Terra Brasil reúne trabalhadores rurais em busca de direitos e políticas públicas

Mobilização reúne milhares de agricultores em Brasília – Foto: Luiz Oneide/Rádio São Luiz

A 24° edição do Grito da Terra Brasil teve início nesta semana em Brasília, no Distrito Federal. A mobilização reúne entidades representantes da agricultura familiar e dos trabalhadores do campo, em defesa de demandas e pautas para melhorar a vida dessas pessoas e a produção do setor. Nesta terça-feira, 21, a Rádio São Luiz FM 100.9 está realizando a cobertura direto da capital federal, acompanhando as manifestações e atividades do evento.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

Neste ano, o tema do Grito da Terra Brasil é “Agricultura Familiar é alimento saudável e conservação ambiental”. O evento conta com a participação de milhares de agricultores e agricultas familiares, inclusive, com uma comitiva da Macroregião Missioneira. Na manhã desta terça, ocorre uma caminhada na Esplanada dos Ministérios e na Praça dos Três Poderes, além de reuniões entre os representantes do setor, parlamentares e o governo.

Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de São Luiz Gonzaga, Rafael Dalenogare explicou a importância das caminhadas e discussões do evento para a formulação de políticas para a agricultura. “Sem dúvida é um dos principais fórum de debates e mobilização para o campo e meio rural”, destacou.

De acordo com Márcio Langer, representante da Sindical Regional Missões II, o número de participantes na iniciativa demonstra a pujança e a luta do setor, mesmo em meio a dificuldades. “O Grito da Terra Brasil é a ferramentas que ao longo de muitos anos conseguimos conquistas, mas é preciso mantê-las”, salientou Márcio. Segundo ele, a expectativa é que sejam feitos anúncios de demandas do setor em breve.

Vice-presidente da Fetag-RS, Eugênio Edevino Zanetti falou sobre o esforço dos trabalhadores gaúchos para participar do evento, mesmo que em menor número por conta do desastre climático que afetou o estado e muitos produtores. “Precisamos que o governo federal olhem para nossos produtores. A agricultura familiar mais que nunca está precisando desse olhar”, pontuou o Zanetti. Ele mencionou a importância de melhorias e incentivos para programas como o Proagro e Proaf, de financiamento agrícola.

A questão financeira também foi abordada pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Porto Xavier, Ademir Luiz Schillreff. “Viemos trazendo essa pauta já a um longo período em prol de nossos agricultores”, disse ele, que lembrou da relevância do movimento para buscar recursos para o setor.

Políticas ambientais e sociais para o setor do campo também fazem parte das reinvindicações do Grito da Terra. Vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Rio dos Índios (RS), Jairo Roso mencionou a expectativa com a conquista de políticas públicas de habitação e seguros agrícolas.  “Está muito grande, superando as expectativas, estamos na luta e esperamos levar bons resultados para nossos agricultores”, afirmou Eli Francisco da Costa, presidente Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Erval Seco.

Agricultores da região das Missões compõe maioria da comitiva gaúcha na mobilização – Foto: Luiz Oneide/Rádio São Luiz

Presença de representantes dos municípios da região

Além dos representantes de Porto Xavier e São Luiz Gonzaga, outros municípios das Missões também enviaram membros dos sindicatos para participar das atividades em Brasília. Entre elas está Nilton Preuss Rutsatz, Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do município de São Nicolau. “Temos que estar aqui, lutando pelos nossos direitos”, afirmou Nilton, que mencionou a importância da Regional Missões II na representação dos agricultores afetados pelas enchentes e que não puderam participar do evento.

Visão compartilhada pelo tesoureiro da Fetag-RS e representante de Santo Antônio das Missões, Aguinaldo Barcelos. “Nosso povo missioneiro está aqui, reunido, firme, com a bandeira em punho, fazendo a luta, reivindicando os nossos direitos, nossos demandas”, comentou. Segundo ele, a expectativa é que as demandas relacionadas ao Plano Safra e ao Proagro sejam atendidas.

A participação da juventude também foi um dos aspectos ressaltados por participantes de São Nicolau e São Luiz Gonzaga. Conforme explicou Rafael Dalenogare, as discussões não se encerram no Grito da Terra, mas o evento serve justamente como uma forma de pressionar e colocar as demandas do meio rural em pauta. “O Grito da Terra ganha essa importância de, de fato, fazer chegar lá no campo aquilo que nós estamos cobrando há anos, há meses. Então, a mobilização de massa é importante por isso”, complementou o presidente do STR de São Luiz Gonzaga.

Agricultores e agricultoras de outros estados

Além de gaúchos, o Grito da Terra Brasil também mobiliza trabalhadores e trabalhadoras rurais de outros estados do Brasil. Membra da diretoria do sindicato dos Trabalhadores Rurais de São Gonçalo do Piauí, Maria Francisca também concedeu entrevista à Rádio São Luiz FM 100.9. “Estamos reivindicando nossos direitos, pela agricultura familiar e assistência básica”, afirmou ela. A luta por direitos também foi destaca por Gabriela Rocha, que faz parte do sindicato dos Trabalhadores Rurais do Estado do Piauí.

Representante da coordenação regional do Médio Parnaíba da Fetag-Piauí, Gonçala Silva detalhou os desafios enfrentados pelos agricultores do seu estado e a expectativa com a mobilização. “Lutamos por uma agricultura melhor, uma saúde digna e uma educação do campo com respeito”, enfatizou a agricultora.

A cobertura completa do Grito da Terra Brasil pode ser conferida no Facebook da Rádio São Luiz.

Fonte: Rádio São Luiz

Comitiva da Macrorregião Missioneira está em Brasília para o Grito da Terra Brasil

Foto: Divulgação/Contag

A comitiva de seis ônibus da Macrorregião Missioneira chegou em Brasília por volta das 7h desta segunda-feira, 20. O grupo, que compõe a maior parte da representatividade gaúcha no Grito da Terra Brasil, saiu em direção à Capital Federal no sábado, 18.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

Em entrevista, Márcio Langer, coordenador da Regional Missões II, e Rafael Dalenogare Paz, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de São Luiz Gonzaga e Rolador, falaram sobre as expectativas de respostas para a categoria. O primeiro ato hoje acontece às 9h, no Parque das Cidades, onde ocorrerá uma assembleia com as orientações gerais. Com grupos de todo o país, a expectativa é que o Grito da Terra reúna milhares de trabalhadores e trabalhadoras no evento.

Entre as pautas principais estão questões relacionadas ao Proagro, taxa de juros, crédito rural, recursos orçamentários e políticas de comercialização. Amanhã haverá uma série de reuniões em ministérios como o da Previdência, Agricultura, Desenvolvimento Agrário, Meio Ambiente, Assistência Social, com intuito de levar pautas do meio rural para essas representações.

Um dos momentos mais importantes e aguardados será a devolutiva da pauta entregue ao governo federal. Rafael disse que houve boas tratativas na última semana e que aguardam o máximo de respostas positivas, principalmente sobre orçamento.

Fonte: Rádio São Luiz

Comitiva da Regional Missões II parte para integrar o Grito da Terra Brasil em Brasília

Foto: Divulgação

Uma comitiva formada por representantes sindicais e trabalhadores rurais da Regional Missões II partiu neste sábado, 18 de maio, de São Luiz Gonzaga para participar da 24° edição do Grito da Terra Brasil. O evento será realizado em Brasília nesta segunda e terça-feira, dias 20 e 21 de maio.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

A comitiva da regional conta com a presença da diretora da Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (Fetag-RS), Lérida Pivoto Pavanelo. A intenção da comitiva é integrar a mobilização em defesa das pautas e políticas públicas do setor. Inicialmente, a previsão era de que 20 ônibus do estado participassem do evento na capital federal, no entanto, com o desastre que atingiu o Rio Grande do Sul, serão 7 ônibus, sendo seis da região missioneira.

Em entrevista à Rádio São Luiz FM 100.9, o tesoureiro-geral da Fetag, Agnaldo Barcelos explicou detalhes sobre a mobilização e recordou a importância do Grito da Terra em diversas conquistas para a agricultura familiar ao longo da história. Entre os temas a serem tratados neste ano estão: assistência técnica, pautas ambientais, acesso a crédito, programa de compra de terra, regras de financiamento, entre outros.

Fonte: Rádio São Luiz

Coopatrigo projeta cultivo de 30 mil hectares de canola e 148 mil hectares de trigo para o inverno

Foto: Coopatrigo

Na quinta-feira, 16, a Coopatrigo realizou um encontro sobre culturas de inverno, destacando a canola e o trigo. O presidente da Coopatrigo, Paulo Pires, abriu o evento enfatizando a importância de encontros como este, especialmente em momentos de resiliência para os associados e a cooperativa. Ele destacou que, após uma safra de soja com resultados mistos — alta produtividade e qualidade antes das chuvas e problemas decorrentes das chuvas excessivas —, o foco agora se volta para as culturas de inverno.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

O Coordenador Técnico da Coopatrigo, Bento Büttenbender, explicou que o encontro trouxe uma combinação de informações para ajudar os associados a planejar com segurança os plantios de canola e trigo. Na primeira apresentação, o produtor rural Mauro Costa Beber, de Condor, RS, compartilhou dados climáticos para o inverno e a primavera, baseados tanto em institutos meteorológicos quanto em registros de sua propriedade. Ele destacou que a tendência de La Niña nessas estações traz boas perspectivas de produtividade, especialmente para o trigo.

Geomar Corassa e Tiago Hörbe, da Rede Técnica Cooperativa, forneceram informações técnicas sobre o cultivo de canola e trigo, abordando os principais manejos de plantio, controle de plantas invasoras, pragas e doenças. O objetivo é que os associados possam planejar e conduzir suas lavouras de maneira eficaz.

A área técnica da Coopatrigo estima que serão cultivados 30 mil hectares de canola e 148 mil hectares de trigo em toda a área de ação da cooperativa.

Fonte: Rádio São Luiz com informações da Coopatrigo

Agricultores podem fazer análise de grãos gratuitamente pela Emater/RS Ascar

Análise identifica diferentes elementos e garante qualidade dos grãos – Divulgação/EmaterRS-Ascar

Os agricultores gaúchos possuem mais uma opção para análise física dos grãos. O serviço está sendo oferecido gratuitamente pela Emater/RS Ascar nas suas Unidades de Classificação e Certificação (UCCs) presentes em diferentes regiões do Estado. A medida faz parte dos esforços para auxiliar a população e os produtores diante das dificuldades geradas pelas chuvas e enchentes.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

De acordo com a Gerência de Classificação e de Certificação da Emater/RS-Ascar, os agricultores podem levar amostras de cerca de um quilo até o escritório da entidade em seu município, que encaminha o material à UCC mais próxima. A análise está disponível para grãos de milho, soja, arroz, feijão e trigo e serve para avaliar diferentes aspectos dos produtos.

Por meio dos processos de análise são identificados: teor de umidade; presença de matérias estranhas e impurezas; porcentagem de grãos avariados; renda; grãos inteiros; grãos quebrados; peso hectolitro; grãos amarelos; e grãos danificados pelo calor, mofados e ardidos. O serviço ajuda na qualificação dos produtos e facilita sua comercialização.

Em São Luiz Gonzaga, o escritório da Emater/RS-Ascar está localizado na rua João Goularte, 1388. O contato pode ser feito pelo telefone: (55) 99997-1320.

Fonte: Rádio São Luiz com informações da Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar

Tesoureiro-Geral Fetag, Agnaldo Barcelos, fala sobre a mobilização para o Grito da Terra Brasil

Foto: Divulgação/Contag

O tesoureiro-geral da Fetag, Agnaldo Barcelos, falou com a reportagem da Rádio São Luiz nesta sexta-feira, 17, sobre a mobilização para o Grito da Terra, que será realizado em Brasília na próxima segunda e terça-feira.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

Ele começou recordando que este é um movimento histórico, responsável por grande parte das políticas públicas conquistadas, citando como exemplo o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). A iniciativa foi muito forte no final dos anos 1980 e 1990, mas perdeu força nos últimos anos.

Este ano, portanto, a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), em conjunto com as 27 Federações dos Trabalhadores na Agricultura, se desafiou a fazer um Grito forte. A meta inicial era mobilizar pelo menos 10 mil pessoas na Capital Federal, mas, por causa da tragédia no Rio Grande do Sul, a situação mudou.

O estado enviaria 20 ônibus, totalizando aproximadamente 800 pessoas. Agora, como não há condições de deslocamento para esses trabalhadores, que também tiveram suas propriedades muito afetadas, a Federação optou por enviar uma representação. Serão sete ônibus, sendo que seis são da Macrorregião Missioneira.

A pauta de reivindicações, que está sendo construída desde o ano passado, foi enxugada, deixada mais contundente e entregue ao governo em abril, de modo que, neste movimento da próxima semana, possam ser feitos anúncios a respeito dessas propostas. Ela versa sobre questões estruturantes como questões ambientais, assistência técnica, acesso a crédito, programa de compra de terra, produção de alimentos, regras do Proagro e seguro rural. Naturalmente, também estão inseridas questões emergenciais para os produtores gaúchos por conta de toda essa tragédia. “Se antes tínhamos motivos, agora eles triplicaram de importância”, observa Agnaldo.

Fonte: Rádio São Luiz

Comércio de produtos de origem animal por agroindústrias gaúchas a outros estados é flexibilizado

Autorização tem validade de 90 dias – Foto: Canva/Ilustrativa

Agroindústrias gaúchas podem comercializar produtos de origem animal com outros estados em caráter excepcional, mesmo sem integrar o Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi-Poa). A autorização passou a valer a partir desta quarta-feira, 15 de maio, depois de portaria publicada pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) e deve durar 90 dias.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

A medida faz parte das ações de flexibilização da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi) para auxiliar a recuperação econômica do Rio Grande do Sul, em virtude do desastre climático que afeto o estado. Na última semana, a secretaria já havia normativa semelhante para autorizar a comercialização intermunicipal de produtos de origem animal provenientes de agroindústrias.

De acordo com a nota da Seapi, caberá a Superintendência Federal de Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Sul (SFA-RS) emitir a autorização de trânsito para as agroindústrias, observando as exigências de saúde animal aplicáveis para trânsito dos produtos. “É uma medida emergencial importante do ponto de vista econômico, principalmente nesse momento de calamidade pública que o Estado se encontra. Também demonstra o apoio de outros estados, que buscam ajudar o Rio Grande do Sul”, afirmou o titular da Secretaria de Agricultura, Giovani Feltes.

Fonte: Rádio São Luiz com informações de Ascom/Seapi

Regional Missões II está mobilizada para o Grito da Terra Brasil

Foto: Divulgação/Contag

O coordenador da Regional Missões II, Márcio Langer, falou nesta terça-feira, 14, sobre os principais pontos da pauta que será apresentada durante o Grito da Terra Brasil, com programação definida para a próxima segunda e terça-feira, dias 20 e 21 de maio, em Brasília.

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

O primeiro dia terá ato em frente aos Ministérios da Fazenda e Planejamento e Orçamento, além de concentração na área do Banco Central. O foco estará sobre temas como taxa de juros, Proagro e políticas de comercialização. O intuito é pressionar pela garantia de recursos para o crédito rural.

Na terça-feira, a ação mais ampla será em frente à Câmara dos Deputados e Ministérios de Desenvolvimento Social, Meio Ambiente, Desenvolvimento Agrário, Agricultura Familiar, Agricultura e Pecuária e Previdência Social. Ao final, a plenária será na Esplanada, com a devolutiva da pauta do Grito da Terra, entregue ao presidente e a ministros no início de abril.

Márcio destacou que questões que envolvem a saúde e a política climática também estarão na pauta, citando, por exemplo, a necessidade de compensação financeira para aqueles agricultores que estão com sua área protegida e com recursos naturais preservados. Ele acrescentou que espera, com a participação da Regional, representar todo o estado neste momento de tanta dificuldade, o que impedirá que agricultores de outras regiões atingidas pelas enchentes estejam presentes.

Fonte: Rádio São Luiz

Guias de Trânsito Animal passam a ser emitidas para todos os tipos de movimentação

Guias devem ser emitidas direto nas inspetorias locais – Foto: Canva

As Guias de Trânsito Animal (GTAs) podem ser emitidas para todo o tipo de movimentação de animais de produção, inclusive comercialização. A medida entrou em vigor nesta segunda-feira, 13 de maio, por meio de determinação da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi). O processo de emissão segue sendo realizado junto às Inspetorias de Defesa Agropecuária locais, por conta da indisponibilidade do Sistema de Defesa Agropecuário (SDA).

Receba nossas notícias pelo WhatsApp

Desde a última semana, a inundação que atingiu o data center da Procergs (Companhia de Processamento de Dados do Estado do Rio Grande do Sul) causou mudanças nos processos de emissão das GTAs, que passaram a ser emitidas emergencialmente apenas para alojamento de bovinos, suínos e aves.

Para solicitar as GTAs, os produtores devem entrar em contato com as Inspetorias de Defesa Agropecuária locais. Em razão do sistema indisponível, haverá um documento complementar de solicitação de emissão da guia que deverá ser assinado pelo produtor. As GTAs serão emitidas e enviadas em formato PDF por estes canais ou impressas.

“Pensando na importância da atividade econômica, a Secretaria da Agricultura vem atendendo, gradativamente, as demandas do setor produtivo, dentro da escala de prioridades nesse momento de calamidade pública que o Estado enfrenta”, afirmou a diretora do Departamento de Vigilância e Defesa Sanitária Animal, Rosane Collares.

O contato com a supervisão Regional São Luiz Gonzaga pode ser feito pelo telefone: (55) 99997-6760 ou e-mail: reg-saoluizgonzaga@agricultura.rs.gov.br

Fonte: Rádio São Luiz com informações da Seapi RS