Major do 4° Batalhão de Área de Fronteira explica detalhes das buscas aos criminosos em Campina das Missões

c07c3edc-da13-4739-9e5d-5e5cf86c630b
Compartilhe essa notícia...
Share on Facebook
Facebook
Email this to someone
email
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Criminosos utilizaram reféns no assalto a agência bancária em Porto Xavier. Cerco está sendo realizado em área rural de Campina das Missões. Foto: Divulgação/Rádio São Luiz 

Enquanto as equipes da polícia efetuam as buscas aos criminosos escondidos em área rural de Campina das Missões, a Rádio São Luiz entrou em contato com a major Vanessa Peripolli, do 4º Batalhão de Polícia de Área de Fronteira da Brigada Militar, que explicou todos os detalhes e fatos apurados até o momento dessa operação desencadeada desde o dia de ontem.

Segundo a Major, “o cerco está sendo realizado no local onde os criminosos foram interceptados e acabaram abandonando o veículo e o produto do furto (ainda não se sabe todo o valor roubado do banco assaltado). Assim, o cerco foi montado ao redor desse perímetro, que é uma região de mata. Por volta das 3h40min de hoje, os criminosos tentaram fugir e entraram em confronto com a Brigada, quando restou alvejado o soldado Fabiano Lunkes. A munição acabou transpassando o colete e o policial veio a óbito minutos depois. Quando ao calibre da munição, possivelmente o disparo tenha partido de um fuzil 556, pois encontramos vestígios dessa munição tanto no local do assalto como no veículo abandonado”, informou.

NÚMERO DE CRIMINOSOS ESCONDIDOS – Segundo Peripolli, “ainda não temos a confirmação exata do número de meliantes, mas trabalhamos com a suspeita de que sejam dois indivíduos que estão escondidos, pois foram avistados dois criminosos no confronto da madrugada, e, se existem outros no mato, não foram avistados”.

MOBILIZAÇÃO – Conforme a Major, “desde o início da ação já mobilizamos as guarnições dos dois Batalhões da região e saímos no encalço junto às possíveis rotas de fuga. Agora, temos policiais de toda a região envolvidos no cerco, bem como reforço dos pelotões de operações especiais de Batalhões próximos aos nossos, do BOPE (antigo GATE) de Porto Alegre, que está em incursão na mata, assim como o emprego de cães farejadores para auxiliar na localização dos criminosos”.

Fonte: Rádio São Luiz

Compartilhe essa notícia...
Share on Facebook
Facebook
Email this to someone
email
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin