Paulo Pires comenta cenário do mercado da soja em 2019

paulo pires
Compartilhe essa notícia...
Share on Facebook
Facebook
Email this to someone
email
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

(Foto: divulgação)

Ocorre desde segunda-feira (11), em Não-Me-Toque, a 20ª Expodireto Cotrijal. Uma das grandes atrações do evento é o Fórum Nacional da Soja, o qual está na 30ª edição e é promovido pela Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS).

Conforme Paulo Pires, presidente da FecoAgro, o fórum era realizado em Porto Alegre, mas há 17 edições está inserido na programação da Expodireto, com palestras técnicas e palestras comerciais, as quais contextualizam o mercado da soja no Brasil e no mundo. Em cima disso, ele falou com nossa reportagem sobre o cenário da safra em 2019.

“Não há números, mas a previsão da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e dos institutos é de que a safra esteja 10% acima do ano passado. Devemos fechar no Rio Grande do Sul, se não houver nenhum contratempo, entre 18,5 a 19 milhões de toneladas”, explica. O cenário desfavorável para o estado Paraná, que sofreu com a falta de chuva, deve deixar o Rio Grande em segundo lugar em produção, perdendo apenas para o Mato Grosso.

Apesar do momento positivo para os gaúchos, Paulo comenta que o setor vai ter que batalhar em várias frentes, destacando pontos como o tabelamento do frete, ICMS dos insumos, entre outros. “É uma questão que precisa ser resolvida urgentemente. A Lei Kandir é outro ponto que precisa ter atenção, pois pode haver retrocesso. O setor público está com dificuldade e começa olhar em todos os lugares que estão andando bem. Eles precisam olhar para dentro de si, com arranjo interno. Não podem buscar na essência dos outros”, comenta.

Questionado se a recuperação da safra Argentina pode afetar o Brasil, Pires explica que, mesmo com as 20 milhões de toneladas a mais, a característica da safra vizinha é de ser vendida como farelo, não concorrendo, portanto, com a nossa. “Nosso grande mercado é a China e é grão, eles estão mais no segmento do óleo e farelo”, finaliza.

Fonte: Rádio São Luiz

Compartilhe essa notícia...
Share on Facebook
Facebook
Email this to someone
email
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin