Paulo Pires: “O ano de 2018 foi excepcional para as cooperativas agropecuárias”

Paulo-Pires-03-Crédito-Nestor-Tipa-Júnior-AgroEffective-Divulgação
Paulo-Pires-03-Crédito-Nestor-Tipa-Júnior-AgroEffective-Divulgação

Cooperativas agropecuárias cresceram 25,25% no faturamento no ano passado. Foto: Nestor Tipa Júnior AgroEffective/divulgação

O presidente da Fecoagro-RS, Paulo Pires, em entrevista à Associação Gaúcha de Emissoras de Rádio e Televisão – Agert, destacou que 2018 foi um ano excepcional para o setor. Os números atestam: as 34 cooperativas agropecuárias associadas à entidade faturaram R$ 25,404 bilhões. Doze delas mais de R$ 1 bilhão cada.

Conforme Pires, entre os motivos estão a desvalorizam do real frente ao dólar, o qual chegou a R$ 4,20, e fez com que os preços dos produtos agrícolas subissem. A soja, por exemplo, chegou a R$ 80 reais em nível de produtor.

“Os insumos subiram bastante e isso fez com que as vendas das cooperativas fossem maiores. Há também a questão do estoque de passagem, represado em 2017 porque o preço da soja tinha baixado R$ 10 reais. Foi praticamente todo vendido”, afirma.
Cooperativas associadas à Fecoagro-RS, dos mais diferentes setores agropecuários (vinho, arroz, soja), tem representatividade de 82% do faturamento das cooperativas agropecuárias atuando no estado. Elas representam 70% dos empregados das cooperativas, algo próximo a 27 mil funcionários.

Otimismo para 2019

O clima no setor é de otimismo para este ano. Conforme o presidente, “há uma mudança de foco interessante”. “Existem muitos ajustes e vamos sofrer um pouco com o dólar, o liberalismo e as mudanças que vão ocorrendo no mercado. Entretanto, a valorização da produção e do empreendedor encaixa na agricultura e no cooperativismo. As cooperativas investem muito onde atuam e se a prioridade é o empreendedor, elas estão inseridas neste contexto”, conclui.

Fonte: Rádio São Luiz

Mais recentes em radiosaoluiz.com