Destaques Principais

Piti Werle é candidato à presidência da Câmara de Vereadores em 2019

Vereador discorreu sobre como ocorreram as tratativas que culminaram em acordo selado nesta terça-feira


O candidato à presidência da Câmara de Vereadores em 2019, José Antônio (Piti) Flach Werle, em entrevista ao Olho Vivo desta quarta-feira, falou sobre as tratativas que culminaram em um acordo fechado na noite de ontem envolvendo os partidos MDB, PSDB, PT, Progressistas e Solidariedade.

TRATATIVAS – Segundo Piti, “há uns 30 dias vínhamos conversando para definição da nova Mesa Diretora e não tivemos êxito nas tratativas. E esse acordo surgiu de forma espontânea, pois fomos procurados por alguns colegas pedindo para que liderássemos essa chapa. Não estava nos meus planos mais esse encargo, mas resolvemos assumir. Já temos agora um acordo com sete vereadores e vamos trabalhar no sentido de buscar os outros colegas visando formar uma chapa de aceitação unânime”, informou.

APOIO DO MDB – Questionado sobre os colegas do MDB (vereadores Reni Rodrigues Lopes e Aldimar Machado) não terem assinado o acordo, Piti entendeu que não tiveram interesse, acreditando que o fator não seria um desacordo em si: “Dificilmente teríamos mais de dois vereadores do mesmo partido na Mesa, mas acredito que não haverá problemas quanto ao apoio à chapa formada”.

ALIANÇA COM O PT – Sobre a participação da vereadora Ana Barros (PT) e sua indicação para a presidência em 2020, Piti salientou que o acordo não é excludente: “não se exclui ninguém de apoiar, então acredito que tanto que nessa Mesa como na próxima não haverá problemas quanto à indicação da vereadora Ana como presidente. Tenho a convicção de que conseguiremos o apoio para manter uma Mesa unânime nos dois anos vindouros”.

INDEPENDÊNCIA NAS OPINIÕES – Sobre a questão da convergência das siglas em uma chapa pluripartidária, Piti entende que “todos os vereadores que representam a nossa sociedade devem ter esse pensamento. A disputa leva a rupturas que deixam sequelas; assim, quanto melhor a forma agregada de trabalhar, quem ganha é o município. E também a montagem da Mesa não engloba a questão ideológica e a convicção de cada um, sendo que cada vereador terá liberdade para expressar sua opinião e voto de maneira independente. E o processo legislativo precisa ter essa linha de trabalho”, enfatizou.

A data provável de eleição da Mesa Diretora para o Exercício de 2019 será em 21 de dezembro, a qual será a última Sessão Ordinária do ano. A chapa formada que deverá ser apresentada é composta por Piti Werle (presidente), Laureano Castilho (vice-presidente), Ana Barros (1ª secretária) e José Antônio Braga (2º secretário).

Compartilhe: