Presidente da FETAG destaca os objetivos do 9° Grito de Alerta

066228ca-73a8-41aa-9672-26b56a9fa6e8

Diretamente de Santa Crus do Sul, onde ocorre nesta quarta-feira o 9º Grito de Alerta, a Rádio São Luiz entrevistou o presidente da Federação dos Trabalhadores da Agricultura do RS, FETAG/RS, Carlos Joel da Silva.

Segundo o presidente, “o Grito, na verdade, já teve início ontem com diversas atividades: tivemos audiência com o Ministério Público Federal onde pedimos aos procuradores para intervir na questão das aposentadorias e olhar para a questão da dívida, onde o governo gasta 40% de tudo que arrecada no pagamento dessa dívida. E o furo está aí, não na previdência. Por isso é preciso auditar, e pedimos aos procuradores gerais da República, promotores federais que estão em Santa Cruz do Sul. Também estivemos no INSS, nas secretarias estaduais de Educação e Saúde, no Banco do Brasil, na Caixa Econômica Federal, na Receita Federal, no Sindicato da Indústria do Tabaco, e hoje temos uma equipe em Brasília, onde uma comitiva terá reunião com o presidente e com o relator da comissão especial que está tratando da reforma da previdência”.

Conforme Carlos, “concordamos que tem de haver reforma, mas que seja para cortar privilégios de quem ganha mais de R$ 30 mil, R$ 50 mil, R$ 100 mil, e não dos trabalhadores que ganham apenas um salário. Por isso, estamos aqui para alertar a sociedade que precisam olhar pelos trabalhadores rurais. Quem estará produzindo alimentos daqui a 10 anos? Precisamos conscientizar e garantir políticas que façam os jovens permanecer no meio rural. Por isso, a força dos agricultores nessa mobilização tem uma validade enorme, e o povo tem de estar aí, cobrando de seus representantes. O grito é para alertar e fazer a pressão em cima dos nossos políticos”, destacou o presidente da FETAG.

Fonte: Rádio São Luiz

Fotos: Kelvin Morais/Rádio São Luiz