Operação Hórus apreende peixes e doa ao Lar do Idoso

This gallery contains 2 photos.

(Foto: Divulgação/BM)

Por volta da meia noite de sábado (24/10), a Brigada Militar entregou no Lar do Idoso a quantia de 52 kg de peixes das espécies dourado, grumatã, piava e cascudo; resultado da apreensão, durante a Operação Hórus na ERS-168, no trevo de acesso à cidade de Roque Gonzales, pelo efetivo do 14º BPM de São Luiz Gonzaga, 29º BPM de Ijui e 7º RPMon de Santo Ângelo. Na oportunidade foi abordada uma caminhonete Hillux SW4, que transportava os peixes em uma sacola com gelo. Com o indivíduo foram encontradas três armas longas, um revólver Cal. 38, munições deflagradas e intactas.

Em virtude da piracema, a pesca está proibida, sendo que a pesca de dourado é proibida em qualquer época do ano. O flagrante na Delegacia de Policia de São Luiz Gonzaga foi feito pelo Delegado Jose Renato. A autoridade policial determinou a lavratura Auto de Prisão em Flagrante. Fiança arbitrada a qual foi paga pelo preso.

Fonte: Brigada Militar

Uergs divulga resultados da pesquisa sobre comportamento social e alimentar da população são-luizense durante a Pandemia Global da Covid-19

This gallery contains 1 photo.

(Foto: Divulgação)

Foram percebidos alguns pontos negativos e que podem comprometer a saúde dos indivíduos, como: a baixa adesão da população entrevistada quanto a higienização de embalagens e alimentos adquiridos

A Uergs, unidade em São Luiz Gonzaga, vem a público divulgar os resultados da pesquisa “Comportamento em tempos de Pandemia Global: Covid-19 e os impactos na vida social e alimentar da população”, a qual foi realizada com 196 pessoas residentes no município de São Luiz Gonzaga, no período de oito de junho a trinta de junho de 2020 por meio de formulário online.

Dentre os resultados obtidos, as pesquisadoras, professora Fernanda Leal Leães e Flávia Dornelles Gomes consideram que, de maneira geral, a população são-luizense está seguindo, minimamente, as recomendações oficiais a respeito dos cuidados a serem tomados com relação ao contato social e segurança dos alimentos durante o período de pandemia.

Destacam como positivo o grande número de pessoas que declararam estar em isolamento social, saindo de casa apenas para trabalhar e/ou quando necessário; a adoção de hábitos de higiene como a higienização das mãos e a utilização de álcool gel 70% ao retornarem para casa e, principalmente,  antes de consumir alimentos; a tentativa de reservar apenas uma pessoa da família para realizar as compras e a periodicidade maior na realização destas, com o objetivo de diminuir as aglomeração nos estabelecimentos comerciais, dentre outros.

No entanto, também foram percebidos alguns pontos negativos e que podem comprometer a saúde dos indivíduos, como: a baixa adesão da população entrevistada quanto a higienização de embalagens e alimentos adquiridos aliada a inobservância das recomendações de uso e diluição dos produtos utilizados na higienização de embalagens, alimentos e superfícies; a falta de preocupação e atenção com os cuidados tomados pelos entregadores durante o serviço de tele entrega de produtos/alimentos, etc.

A tomada de todos os cuidados de higiene e limpeza é essencial, não apenas no que se refere a higiene pessoal, mas também e principalmente dos alimentos consumidos e das embalagens e superfícies que entraram em contato com esses alimentos/produtos. As pesquisadoras ressaltam que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o vírus é sensível às temperaturas utilizadas para cozimento dos alimentos (em torno de 70ºC), no entanto, devemos ter todo o cuidado com o transporte e as embalagens destes alimentos, uma vez que o vírus pode persistir por horas ou vários dias, dependendo do tipo de superfície, temperatura e umidade do ambiente. Entretanto, são eliminados pela higienização ou desinfecção das superfícies pela ação de detergentes, sabões e desinfetantes, bem como pela lavagem das mãos.

Todos esses cuidados são de extrema importância, visto que, conforme a pesquisa apontou, a composição do núcleo familiar dos respondentes, em 46% das residências existem membros familiares que apresentam doenças crônicas, e em 22% pessoas acima de 60 anos de idade, os quais pertencem ao grupo de risco.

As pesquisadoras ponderaram que os pontos negativos levantados pela pesquisa serão trabalhados em futuras ações de extensão a serem desenvolvidas pela Uergs e que a integra dos resultados pode ser acessada através das redes sociais da Unidade da Uergs em São Luiz Gonzaga, via Facebook e Instagram, e que está sendo preparado relatório final com a análise mais detalhada dos resultados obtidos.

Quaisquer dúvidas ou informações adicionais podem ser obtidas através dos e-mails das pesquisadoras, professoras Fernanda Leal Leães: [email protected], e Flávia Dornelles Gomes: [email protected].

Fonte: Assessoria de Comunicação