Cultura

Músico santo-angelense Jorge Freitas morre vítima de Covid-19

(Imagem: divulgação)

Morreu na manhã deste sábado (13), após oito dias de internação no Hospital São Vicente de Paulo, em Cruz Alta, o músico santo-angelense Jorge Antônio Rodrigues Freitas, 59 anos. Grande nome do nativismo gaúcho, Jorge residia em Cruz Alta, onde também atuava como servidor público.

A prefeitura do município emitiu nota de pesar. Leia abaixo:

A Administração Municipal informa com pesar o falecimento do músico, interprete e servidor da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo Cruz Alta/RS Jorge Freitas agora pela manhã.

Aos 59 anos, Jorge Antônio Rodrigues Freitas estava internado no Hospital São Vicente de Paulo desde o dia 5 de junho em decorrência de Covid-19.

Jorge Freitas ao longo de sua brilhante carreira se tornou um dos maiores interpretes do nativismo. Missioneiro de Santo Ângelo, residia em Cruz Alta onde construiu boa parte de sua trajetória.

A Administração Municipal manifesta toda a solidariedade a família enlutada.

Fonte: Prefeitura Municipal de Cruz Alta

Gaiteiro Porca Véia morre aos 68 anos vítima de parada cardíaca

(Foto: divulgação)

Músico estava internado no Hospital Regina, em Novo Hamburgo, e não resistiu a duas paradas cardíacas. Fundador do Grupo Cordiona e autor de sucessos como “Lembranças”, “De Alma Serrana”, “Do Jeito que Deu” e “Gaiteiro Por Demais”, possui 21 CDs e 3 DVDs gravados, além de dois discos de ouro

Morreu hoje (12), aos 68 anos, o gaiteiro, cantor e compositor Porca Veia. Ele estava internado no Hospital Regina, em Novo Hamburgo, e não resistiu a duas paradas cardíacas.

Com insuficiência renal, Porca fazia seções de hemodiálise três vezes por semana. Fundador do Grupo Cordiona e autor de sucessos como “Lembranças”, “De Alma Serrana”, “Do Jeito que Deu” e “Gaiteiro Por Demais”, possui 21 CDs e 3 DVDs gravados, além de dois discos de ouro.

Ele deixa a esposa Claudinéia Bossardi e quatro filhos, além de uma legião de fãs e amigos. Em nota, o Movimento Tradicionalista Gaúcho, através de sua diretoria, entidades filiadas e associados, manifestou solidariedade.

Fonte: G1 RS

Coordenador da 3ª Região Tradicionalista fala sobre os impactos da pandemia de Covid-19 nas entidades

Eduardo Bechorner (centro). (Foto: reprodução/arquivo pessoal)

Semana Farroupilha 2020 vive um cenário de incertezas

O coordenador da 3ª Região Tradicionalista (3ª RT), Eduardo Bechorner, comentou hoje (12) sobre as dificuldades que as entidades estão vivenciando e as adaptações realizadas para minimizar os efeitos da pandemia de coronavírus. A mais recente decisão, tomada em conjunto com as demais regionais e oficializada pelo Movimento Tradicionalista Gaucho (MTG), foi o cancelamento da tradicional cerimônia de acendimento da Chama Crioula, que seria realizada em Canguçu.

Como o cenário é de indefinição, até mesmo o acendimento na área da 3ª RT, que está prevista para ocorrer em Eugênio de Castro, no CTG Ronda do Rio Grande, dependerá das condições sanitárias. “Vivemos semana a semana”, comenta.

Algumas atividades artísticas e culturais estão ocorrendo de forma virtual, com o objetivo de movimentar, principalmente, os jovens. Outros eventos, como concursos de prendas e peões tiveram gestões prorrogadas e só serão realizados novamente em 2021.

A projeção dos festejos farroupilhas também vive um cenário de incertezas. “Precisamos realizar alguma coisa, até para obter recursos. Poderemos, na minha opinião, com protocolos e controles, realizar jantares. Temos restaurantes funcionando, então não vejo impedimento de realizar. Mas de toda forma, ainda é difícil fazer um prognóstico”, explicou.

Eduardo ainda lembrou que as entidades se mantém com a anuidade, mas principalmente com recursos arrecadados em promoções, alugueis para eventos e bailes, todas atividades que não podem retornar no momento. “As entidades são o esteio de toda a tradição. É toda uma cadeia que envolve instrutores de dança, invernadas campeiras, cavalgadas e uma série de outros eventos que também ajudam a movimentar o comércio. Fomos terrivelmente afetados”, disse ele.

A orientação da 3ª RT é para que as entidades procurem alternativas como venda de pizzas, galetos e outras de tele-entrega, de modo que consigam a manutenção até que seja possível retornar.

Fonte: Rádio São Luiz

Acendimento da Chama Crioula 2020 é transferido para 2021

(Foto: Larissa Dorneles/Arquivo)

O Acendimento da Chama Crioula, que marca a abertura dos Festejos Farroupilhas a cada ano, foi transferido para 2021, devido à pandemia da covid-19 e respectivos protocolos de saúde pública estabelecidos pelas autoridades sanitárias e que suspenderam todas as atividades que gerem aglomeração.

A definição aconteceu em reunião online realizada no dia 9 de junho pela presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho do Rio Grande do Sul, Gilda Galeazzi, com os coordenadores das 30 Regiões Tradicionalistas. Para referendá-la, nos próximos dias, haverá reunião do Conselho Diretor da entidade.
Para 2021, fica mantida a cidade de Canguçu, na 21ª Região Tradicionalista, como local do evento e a portaria 39/2014, que define os locais de acendimento da Chama Crioula para os próximos 30 anos, fica estendido para 2045.

Segundo Gilda, o local, o acendimento e a distribuição da Chama Crioula em 2020 ficam a critério de cada uma das 30 Regiões Tradicionalistas, dentro de suas áreas de atuação, e em conformidade com os decretos de saúde pública estaduais e municipais.

O presidente da comissão dos festejos, César Oliveira, disse que “a simbologia e importância da data terá sua continuidade e possíveis alternativas ou formatos no futuro ainda estão na dependência do decorrer do tempo”. Ele diz que o anúncio não significa que a festa presencial irá acontecer. Uma das possibilidades, inclusive, é que sejam realizadas comemorações virtuais, pela internet.

Ontem, foram anunciados o tema e a patrona dos festejos. A homenageada é a ex-primeira prenda do estado, Alessandra Carvalho da Motta e o tema, é “gaúchos sem fronteiras”, sobre os desgarrados do rio grande que foram viver em outros estados e países.

O presidente da comissão dos festejos e vice-presidente de Administração e Finanças do MTG, César Oliveira, disse que “a simbologia e importância da data terá sua continuidade e possíveis alternativas ou formatos no futuro ainda estão na dependência do decorrer do tempo”.

Conforme César, o anúncio não significa que a festa presencial irá acontecer. Uma das possibilidades, inclusive, é que sejam realizadas comemorações virtuais, pela internet.

Por Sandra Veroneze/ assessoria de imprensa

Requalificação urbana de São Miguel das Missões chega à etapa final

(Foto: divulgação/Iphan)

A cidade de São Miguel das Missões se desenvolveu ao redor do Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo, um território rico em história, disputas e belezas. Para beneficiar a infraestrutura urbana local, melhorar a qualidade de vida da população e valorizar as atrações turísticas da região, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), autarquia do Ministério do Turismo, vem realizando, desde fevereiro de 2019, uma importante obra de requalificação na cidade, que chega agora à sua última etapa.

Ao todo, são cerca de 80 mil metros quadrados passando por intervenções, em um trabalho que já soma mais de R$ 15 milhões em investimentos, sendo R$ 12,3 milhões só nessa nova etapa. A primeira fase de obras incluiu oito trechos da cidade e está em às vésperas de ser finalizada. Já a etapa atual, iniciada neste mês de maio de 2020, inclui 23 trechos, com previsão de execução de diversos serviços e melhorias para a cidade de São Miguel das Missões, como implantação de calçadas com rotas acessíveis, ciclovias e ciclofaixas, pavimentação asfáltica, inserção de sinalização, novo paisagismo e áreas de lazer.

A ideia é transformar positivamente a vida local, destacando e demarcando a importância do sítio arqueológico. Como consequência disso, a atividade turística também se beneficia, já que a cidade ganha em condições para receber os visitantes em um circuito estruturado e que facilita a circulação entre os principais pontos de interesse da cidade, desde sua entrada, passando por marcos como a Fonte Missioneira, o próprio sítio e o Museu das Missões.

São Miguel das Missões
A região em que hoje se encontra a cidade de São Miguel das Missões corresponde ao maior entre os 30 povoados missioneiros criados pelos jesuítas ao longo dos séculos XVII e XVIII, entre Brasil, Argentina e Paraguai, em seu empenho de colonização dos povos indígenas daquele território. Em 1937, o arquiteto Lucio Costa foi enviado pelo Iphan ao Rio Grande do Sul para analisar os remanescentes desses aldeamentos e a visita resultou no tombamento, que reconhece a região do Sítio Histórico de São Miguel Arcanjo como Patrimônio Cultural Brasileiro.

Em 1983, o sítio foi também declarado Patrimônio Mundial Cultural pela Unesco. Anos mais tarde, em 2009, foi criado o Parque Histórico Nacional das Missões, que reúne os sítios arqueológicos de São Miguel Arcanjo, São Lourenço Mártir, São Nicolau e São João Batista. Em 2014, o Iphan também inscreveu a Tava, Lugar de Referência para o Povo Guarani, no Livro de Registro de Lugares, e em 2019 ela foi reconhecida como Patrimônio Cultural do MERCOSUL.

Fonte: Assessoria de Comunicação Iphan

Obras no Museu Senador Pinheiro Machado serão retomadas

Museu Senador Pinheiro Machado. (Foto: Arquivo/divulgação)

Projeto, orçado em R$ 177.928,77, será executado pela empresa Portlan Engenharia Ltda – EPP

 Após vencimento do contrato anterior, uma nova empresa foi contratada para continuar com a reforma do Museu Municipal Senador Pinheiro Machado. A empresa vencedora do processo de licitação foi a Portlan Engenharia Ltda – EPP, de São Luiz Gonzaga.

A obra é orçada em R$ 177.928,77, recurso oriundo do Ministério do Turismo, destinado via emenda voluntária – a qual contou com a articulação do deputado federal Darcísio Perondi – e contrapartida com recursos próprios do município. O contrato para a retomada dos trabalhos foi assinado pelo prefeito Sidney Brondani na quinta-feira (4). O prazo inicial para a conclusão da obra é de quatro meses.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Prefeitura de São Luiz Gonzaga

Impacto da pandemia no turismo afeta diretamente o município de São Miguel das Missões

(Foto: arquivo/divulgação)

O prefeito de São Miguel das Missões, Hilário Casarin, falou nesta semana sobre os impactos da pandemia de coronavírus na economia do município. Patrimônio mundial da humanidade, o Sítio Arqueológico está fechado e muitas famílias que dependiam do dinheiro movimentado pelos turistas estão enfrentando dificuldades.

A previsão, no início do ano, era de que aproximadamente 180 mil pessoas passassem pela cidade ao longo de 2020. Naturalmente, com as medidas de prevenção adotadas desde a primeira quinzena do mês de março, este número foi amplamente prejudicado.

Somente nos grupos de artesanatos, estimasse que 50 famílias dependiam da renda obtida com a visitação. A rede hoteleira é outra que sofre com a ausência de visitantes.

A previsão não é animadora e o gestor estima que a paralisação dure pelo menos mais dois ou três meses. Assim, o município e as lideranças do setor vêm trabalhando para “salvar o segundo semestre”, projetando estratégias para reabrir espetáculos e incentivar as visitas logo que a situação esteja mais controlada.

Fonte: Rádio São Luiz

Inscrições para o 20º Concurso Literário da Asas seguem abertas até o dia 29 de junho

(Foto: divulgação/ASAS)

Evento tem objetivo de revelar e divulgar escritores, bem como incentivar a literatura

Escritores têm até o dia 29 de junho para enviarem suas publicações para a Associação São-luizense de Autores – Asas. Este é o 20º Concurso Literário promovido pela entidade e que resultará na publicação do 28º volume de Seletas de Versos e Prosa.

Conforme o escritor Luiz Henrique Borck, neste ano, além do tradicional recebimento de material por cartas, os contos, crônicas, e poemas serão recebidos pela internet. Os arquivos devem respeitar o máximo de duas laudas, fonte Arial, tamanho 12, e cada autor pode enviar até três trabalhos em cada categoria (verso e prosa). O e-mail é o [email protected]

A taxa de inscrição por categoria, que dá direito ao envio das três publicações, é de R$ 25,00. O pagamento deve ser efetuado na conta da Associação São-luizense de Autores: Banrisul | Agência: 0412 / Conta: 41.026.126.0-4. Mais informações podem ser obtidas com os sócios Luiz Henrique Borck (55 9 9638-1373), Salete Carvalho (55 9 9942-3428) e Edilmar Garcia (55 9 9699-4939).

Loja de livros usados

Luiz Henrique Borck, proprietário da Editora Borck, que se aproxima de 200 edições de livros publicados, revelou em entrevista que está concluindo prédio onde serão acondicionados livros usados. O sonho é antigo e uma demanda de toda a região. A previsão é que esteja pronto em dezembro.

Fonte: Rádio São Luiz com informações da ASAS

Antiga Estação Férrea de São Luiz Gonzaga abrigará o Museu Arqueológico

(Foto: arquivo pessoal/Marli Miranda)

Está em andamento a mudança do Museu Arqueológico de São Luiz Gonzaga, que antes ficava na Praça Cícero Cavalheiro, para a antiga Estação Férrea do município. O espaço, que passou por amplo processo de revitalização, está praticamente pronto, restando poucos detalhes para a abertura.

Marli Miranda, Secretária do Turismo e Cultura, explica que ainda falta transferir algumas peças. O processo de organização deve contar com orientação técnica do professor Anderson Amaral.

No local, haverá dois ambientes, com a parte do térreo destinada ao museu e o segundo piso a um mini auditório e uma galeria, que vai contar, em imagens, a história da estação. O setor de cultura, chefiado por Irene Borges Notarjácomo, também ocupará espaço no edifício.

A iluminação do local foi reforçada com refletores destinados pelo chefe da APDL, Tito Bilinski. Além de contribuir para a estética, as luzes ajudam na segurança, que também foi reforçada com alarme monitorado por empresa de segurança, patrulhas constantes da Brigada Militar e auxílio da comunidade vizinha ao local. “Eu conversei com os moradores e pedi que alertem diante de qualquer movimentação estranha”, explicou Marli. A preocupação se justifica pelos já conhecidos atos de vandalismo ocorridos em outras oportunidades.

Ainda não há data prevista para o início da visitação, mas estima-se pelo menos 30 dias e ainda é necessário levar em conta o período da pandemia. Quanto ao antigo local, na Cícero, ainda não há uma definição do que será feito. Marli destaca, por fim, o apoio que tem recebido das secretarias de Educação, Obras e também do chefe de patrimônio Jackson Fiorin Brandão, o qual tem auxiliado no transporte dos artigos.

Fonte: Rádio São Luiz

Músico são-luizense Estevão Guedes é anunciado como novo integrante de Os Serranos

Estevão Guedes recebe a camiseta do grupo. (Imagem: reprodução/YouTube)

O músico são-luizense Estevão Guedes, filho de Nenê Guedes (in memoriam), foi anunciado no domingo, 10 de maio, como novo integrante do histórico grupo Os Serranos. A novidade foi apresentada aos fãs durante uma live realizada em homenagem às mães, transmitida pelo YouTube.

Edson Dutra, líder do grupo que tem quase 52 anos de estrada, foi quem transmitiu a primeira mensagem de boas-vindas. “Os Serranos tiveram sempre a tradição de grandes pessoas e músicos nas nossas fileiras. Se não fosse a competência dos artistas que figuraram e agora figuram, não teríamos mais de 50 anos de estrada. Agora, vem mais um talento, acordeonista, cantor e compositor”, disse Dutra antes de citar o nome de Estevão.

O são-luizense, por sua vez, falou da honra e satisfação em receber o convite. Ele também disse que era a “realização para qualquer músico estar em grupo com a história dos Serranos”. Estevão recebeu a camiseta que identifica o grupo das mãos de Euclides Turra, outro grande nome do conjunto.

Com passagens pelos Mateadores e Banda do Magrão, Estevão cumpre agora mais uma etapa de sua brilhante carreira.

Fonte: Rádio São Luiz