Saúde

Secretaria Municipal de Saúde alerta sobre importância da vacinação contra o sarampo

Com sete casos de sarampo confirmados no Rio Grande do Sul (seis em Porto Alegre e um em Dois Irmãos) e o primeiro óbito em decorrência do vírus, em São Paulo, a Secretaria Municipal de Saúde – em parceria com entidades e empresas – segue promovendo ações de prevenção a doença.

Nesta quarta-feira (18), a partir das 8 horas, a equipe da pasta irá visitar a Prefeitura de São Luiz Gonzaga para revisar e colocar em dia a caderneta de vacinação dos servidores municipais que atuam na Sede Administrativa. “O sarampo é uma doença muito contagiosa e a vacinação é a melhor forma de evitar a contaminação. Pedimos que os servidores municipais levem as cadernetas de vacinação para análise dos profissionais de saúde, evitando o surgimento de novos casos da doença”, ressaltou a enfermeira da Secretaria de Saúde, Águeda Martins Balbe.

Entre as ações já promovidas contra o sarampo, foi realizada uma intensificação vacinal na Coopatrigo (com a imunização de 77 funcionários) e orientações aos funcionários do Hospital de São Luiz Gonzaga (HSLG) sobre a atualização vacinal.

VACINAÇÃO

O sarampo é uma doença extremamente contagiosa, a qual pode deixar sequelas ou levar a óbito. O Ministério da Saúde, estados e municípios trabalham no enfrentamento do surto de sarampo. Devem realizar a vacina, bebês de seis meses a 11 meses e 29 dias (a chamada dose zero); bebês de 12 meses até adultos de 29 anos (duas doses) e pessoas de 30 a 49 anos de idade (uma dose).

A Secretaria de Saúde alerta a população sobre a doença e reforça a importância da imunização para evitar o sarampo. Para vacinar, é necessário comparecer na respectiva ESF portando o cartão SUS e a carteira de vacinação para conferência e, se necessário, imunização. As unidades de saúde realizam semanalmente um dia voltado a vacinação do sarampo:

Segunda-feira: ESF Presidente Vargas;

Terça-feira: ESF Agrícola;

Quarta-feira: ESF Dr. Chico, ESF Bairro Duque e ESF Bairro Trinta;

Quinta-feira: Centro de Saúde (ao lado da Arte Nossa) e ESF Bairro Mário;

Sexta-feira: ESF Bairro Paz e ESF Bairro Floresta.

Assessoria de Imprensa da Prefeitura de São Luiz Gonzaga com informações da SEMSA

Foto: Divulgação / Centro de Saúde                                                              

 

Primeiro caso de Gripe A é confirmado em Santo Antônio das Missões

Na tarde desta sexta-feira, dia 13, a secretária de Saúde de Santo Antônio das Missões, Arriete Pereira confirmou para a reportagem do Grupo Fronteira Missões de que hoje recebeu a confirmação de um caso de Gripe H1N1 em um dos pacientes que deu entrada no Hospital de São Luiz Gonzaga através da secretária de Saúde do município.

Conforme Arriete, a pessoa diagnosticada com a Gripe H1NI é um senhor de 71 anos, morador da cidade que foi hospitalizado em São Luiz Gonzaga na semana passada, sendo realizada a coleta de sangue e encaminhado para o Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Sul (LACEN/RS), após analise o resultado foi positivo para o caso de H1N1.

Este primeiro caso confirmado de H1N1 não se trata dos últimos óbitos ocorrido em Santo Antônio das Missões nos últimos dias conforme era os boatos. O senhor encontra-se hospitalizado em São Luiz Gonzaga. Arriete solicita os cuidados máximos para toda a comunidade, pois se trata de alto risco contagioso. A identidade da pessoa não foi divulgado por questão de ética e respeito aos familiares.
Como se prevenir da gripe

• Evite o contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe;
• Lave as mãos frequentemente com água e sabão. Se não tiver água e sabão, use álcool em gel;
• Evite tocar a boca, nariz e olhos;
• Limpe e desinfete superfícies que podem estar contaminadas, como mesa e corrimão;
• Mantenha hábitos saudáveis, como alimentação balanceada, ingestão de líquidos e atividade física;
• Se sentir os sintomas da doença (febre, calafrio, dor de cabeça, tosse, dor de garganta, ou outros sintomas) procure um serviço de saúde;
• Não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
• Mantenha os ambientes bem ventilados, com portas e janelas abertas.

Por Alcides Machado

Fonte: Grupo Fronteira Missões

Hospital de São Luiz vai promover coleta de sangue na próxima quarta-feira, 18

(Imagem/divulgação)

A equipe do hemocentro estará no Hospital de São Luiz Gonzaga na próxima quarta-feira, 18 de setembro, para realizar coletas de sangue a partir das 7 horas da manhã. Para ser doador, é necessário portar um documento com foto, estar em boas condições de saúde, estar alimentado, ter entre 16 e 69 anos e pesar mais de 50 kg.

Mais informações com a farmacêutica Angela Lunkes e enfermeira Tanara Goulart, pelo telefone (55) 3352- 4000.

A organização dos doadores será por ordem de chegada.

Fonte: Hospital São Luiz

Setembro Amarelo: é importante falar sobre o suicídio

A melhor dica é ouvir quem está em sofrimento, sem julgamentos. (Foto: divulgação)

Problema sério de saúde pública, o suicídio é tema da campanha Setembro Amarelo. Conforme o psiquiatra Augusto Dutra Giacomelli, que atende no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de São Luiz Gonzaga, a ação, assim como a Outubro Rosa, que evidencia o câncer de mama, e a Novembro Azul, que fala sobre o câncer de próstata, é importante para que as pessoas saibam do problema e possam prevenir e ajudar quem sofre.

O psiquiatra comenta que por muitos anos houve o entendimento que falar ou ouvir alguém nesta condição seria incentivar o ato, quando na verdade este é um dos primeiros passos para ajudar. “Pensar em suicídio é um sinal de sofrimento. Não é problema de ‘quem não tem o que fazer’, para chamar atenção ou ‘coisa do diabo’. Isso são mitos. Ouvir vai ajudar a aliviar e proporcionar que a pessoa aceite ser levada ao médico”, explica.

Outro mito, segundo Giacomelli, é que “quem quer se matar se mata mesmo”. Dados mostram que 90% das pessoas que cometeram suicídio comunicaram pessoas próximas e procuraram atendimento. “A medida que não tiveram ajuda médica voltaram a repetir os atos de forma mais letal a ponto de ter consumado”, revela.

Na grande maioria dos casos, o suicídio está associado a doença mental, mas não significa que uma pessoa sem a doença possa cometer o ato extremo. “Às vezes, em um momento de crise, desavença conjugal, problema familiar, estado de angústia intensa, a pessoa não consegue lidar com aquela situação”, comenta.

Onde procurar ajuda

No município, as pessoas podem procurar ajuda nos ESFs, postos de saúde, hospital, CAPS e CAPS ad.

Precisa de ajuda?

Ligue para o número 188 – Centro de Valorização da Vida

Horário: 24 horas, 7 dias por semana

Website: www.cvv.org.br

Hospital Roque Gonzales está com o bloco cirúrgico fechado

(Foto: divulgação)

Em entrevista para a Rádio São Luiz nesta terça-feira (3), o prefeito de Mato Queimado, Orlando Thomas, comentou sobre o fechamento do bloco cirúrgico do Hospital Roque Gonzales, entidade filantrópica que atende os municípios de Caibaté e Mato Queimado. Conforme o chefe do executivo, o Estado fechou o setor há duas semanas e exigiu a construção de uma sala pressurizada (ambiente livre de contaminação) para que os atendimentos possam continuar.

Thomas explica que o investimento tem custo aproximado de R$ 600 mil. Ele questiona a decisão e diz que o hospital nunca teve problemas com contaminação.

Segundo o prefeito, existem mais de 100 hospitais neste mesmo impasse. “Isso sobrecarrega hospitais de municípios como São Luiz Gonzaga, Santo Ângelo e Ijuí. Semana passada, correndo riscos pelas estradas, tivemos que levar uma gestante três vezes para Santo Ângelo”, desabafa o prefeito.

Orlando revela que está em contato com deputados e senadores na busca da resolução do problema. Na semana passada, ele esteve em Porto Alegre acompanhando a criação de uma Frente Parlamentar que deverá abrir investigação e realizar levantamento de dados. “O governo deve para a saúde e vem fechar hospitais. Ele precisa dar comodidade e não trabalhar contra”, finaliza.

Fonte: Rádio São Luiz

Para conscientizar sobre a importância do aleitamento materno, São Luiz Gonzaga terá 1ª Hora do Mamaço

Nesta semana, o prefeito de São Luiz Gonzaga, Sidney Brondani, recebeu a visita da consultora materno infantil, Claudia Vieira Marques, a qual apresentou ao Executivo são-luizense o projeto da 1ª Hora do Mamaço no município. A proposta – que irá integrar as atividades do Agosto Dourado, mês dedicado à intensificação das ações de apoio ao aleitamento materno – ocorrerá no próximo dia 25, às 15 horas. A voluntária buscava o apoio da prefeitura com a cedência da Praça Cícero Cavalheiro para a iniciativa.

Após participar da organização de edições da atividade em Porto Alegre, Claudia – com o apoio de diversas pessoas – busca promover a Hora do Mamaço em São Luiz Gonzaga. “Mamaço é o nome de um evento mundial, no qual as mães se reúnem para amamentar seus bebês, enquanto compartilham informações. O objetivo do evento é sensibilizar a sociedade sobre a importância do aleitamento materno, oferecer apoio às mães e mostrar que a amamentação em público é natural. Queremos promover a 1ª Hora do Mamaço no município para informar a comunidade e quebrar tabus que envolvem o tema. Meu filho tem dois anos e quatro meses e eu recebo inúmeras críticas por ainda amamentar. As pessoas esquecem que o leite materno é saúde e pode prevenir inúmeras doenças”, afirmou Claudia.

O prefeito Sidney Brondani parabenizou Claudia Vieira Marques pela iniciativa de promover a atividade em São Luiz Gonzaga, incluindo o município nas cidades que já promovem a mobilização no Brasil. “Ficamos muito felizes em encontrar pessoas engajadas e que desejam fazer a diferença. A Administração Municipal está a disposição para auxiliar no que for possível e é parceira na busca pela conscientização da comunidade”. O chefe do Executivo solicitou a voluntária um ofício para formalizar o pedido e possibilitar a cedência da Praça Cícero para a atividade.

Assessoria de Imprensa da Prefeitura de São Luiz Gonzaga

Prazo para a realização censo vacinal de febre amarela nas áreas rurais vai até o final deste mês

A Secretaria da Saúde (SES) orienta que todos os municípios do Estado realizem até o final de agosto um censo vacinal de febre amarela nas áreas rurais. O trabalho prevê a visitação casa a casa nesses locais para o levantamento da situação vacinal dessa população e imunização das que ainda não tomaram a dose. No Rio Grande do Sul, cerca de 1,6 milhão de pessoas vivem em áreas rurais, que são os locais mais propensos para a reintrodução do vírus depois de mais de uma década.

No total da população do Estado, há uma estimativa de que 33% dos gaúchos ainda não tenham feito a vacina, que é orientada para pessoas acima dos 9 meses e menores de 60 anos. A população em geral, que reside em área urbana, pode encontrar as doses nas Unidades Básicas de Saúde (UBS).

A medida foi adotada frente à situação da febre amarela no país, que em Santa Catarina já registrou dois óbitos, nos municípios de Joinville e Itaiópolis. Esse segundo, ocorrido no final de junho. No resto do Brasil, foram outras 13 mortes e 80 casos. Atualmente, o país passa pelo maior surto da doença na história. Desde 2017, o estado de São Paulo passou a apresentar casos. Na sequência, o vírus se propagou para o Paraná e, por último, Santa Catarina, sempre pela área rural. Estudos epidemiológicos e ambientais apontam que em setembro o vírus chegará ao RS, onde não são identificados casos transmitidos dentro do Estado desde 2009. Por isso, o censo busca assegurar que a população mais exposta esteja protegida antes da presença da febre amarela. As áreas mais suscetíveis são o Norte, a Serra e o Litoral Norte, em virtude da divisa com Santa Catarina e onde há a presença de áreas silvestres de mata, por onde o vírus pode avançar.

Vacinação para a população geral

A vacina contra a febre amarela também está disponível nas Unidades Básicas de Saúde para toda a população, indicada para pessoas acima dos 9 meses e menores de 60 anos. A imunização é a principal ferramenta de prevenção e controle da febre amarela. A aplicação em pessoas com mais de 60 anos só é orientada mediante avaliação e prescrição médica. O esquema vacinal é de uma dose única, que deve ser administrada pelo menos 10 dias antes do deslocamento para áreas de risco (matas, florestas, rios, cachoeiras, parques e o meio rural).

Quem não deve tomar a vacina contra febre amarela?

– Quem já tomou ao menos uma dose da vacina contra a febre amarela

– Crianças menores de 9 meses de idade

– Mulheres amamentando crianças menores de 6 meses de idade

– Pessoas com alergia grave ao ovo

– Pessoas que vivem com HIV e que têm contagem de células CD4 menor que 350

– Pessoas em tratamento com quimioterapia ou radioterapia

– Portadoras de doenças autoimunes

– Pessoas submetidas a tratamento com imunossupressores (que diminuem a defesa do corpo)

Fonte: Secretaria Estadual de Saúde

 

Hospital adquire novo tomógrafo para exames de diagnóstico por imagem

Foi realizada na tarde desta sexta-feira, 9 de agosto, a entrega oficial de um tomógrafo, equipamento novo adquirido através de emenda parlamentar do deputado federal Darcísio Perondi (MDB).

O ato de entrega contou com a presença do assessor parlamentar Luiz Antônio Sommer Prates (Lizoca) e de sua esposa Sônia Prates, do prefeito Sidney Brondani, do vice-prefeito Mário Trindade, do presidente da Câmara de Vereadores, Piti Werle, do secretário de Saúde Valmir Silveira, da administradora do hospital, Íria Diedrich, do médico e diretor do Corpo Clínico Luis Grings e do presidente do MDB local e coordenador regional de Educação Vitor Hugo Nascimento.

O valor do equipamento, de cerca de R$ 700 mil, foi adquirido através de emenda do deputado Perondi encaminhada no ano passado. Conforme a administradora do HSLG, Íria Diedrich, “é o equipamento mais caro já adquirido pelo hospital, e será de grande importância para a realização de exames dos pacientes que não precisarão mais se deslocar até Santo Ângelo para o diagnóstico por imagem”. O novo equipamento substitui o antigo tomógrafo, o qual foi adquirido já em estado de uso e que suportava apenas 120kg, sendo que o novo tomógrafo possui a capacidade de 190kg.

Fonte: Comunicação MDB São Luiz Gonzaga

Foto: Emerson Scheis

Gripe A: Para coordenador regional de Saúde, “desinformação sobre a vacina é um dos fatores para o aumento de casos”

Em entrevista à Rádio São Luiz, Yuri Sommer Zabolotsky, titular da 12ª Coordenadoria Regional de Saúde com sede em Santo Ângelo, comentou sobre o aumento de casos de pacientes com a gripe H1N1 e os 18 óbitos registrados no Estado, dentre eles, o de uma senhora são-luizense que ocorreu na última semana.

Conforme o Coordenador, “neste ano, infelizmente, foram três casos confirmados na região, sendo que destes dois resultaram em óbito: um senhor de 55 anos de Santo Ângelo e uma senhora de 63 anos de São Luiz Gonzaga. Ambos estavam no grupo de risco da campanha e estavam com a saúde fragilizada em decorrência de problemas de saúde”, explicou.

Com 18 óbitos por Gripe A confirmados no Estado, Yuri ressaltou que o número vem aumentando, assim como constatado em outras campanhas, como a febre amarela e a dengue: “Existe uma previsão de que os casos aumentem. Por isso, é importante que as pessoas dos grupos de risco procurem a imunização e mantenham seu calendário vacinal em dia”.

Sobre o aumento de casos, o coordenador salienta que um dos fatores disso é resultante de desinformação, muito propagada em Fake News contra a vacinação: “Nos últimos três anos não foi possível atingir as metas na campanha de vacinação contra a gripe, e estamos vendo doenças que estavam erradicadas retornarem, como é o caso do sarampo. As pessoas precisam entender da importância da prevenção através da vacina”, explicou.

Fonte: Rádio São Luiz

 

São-luizense que morreu vítima de Gripe A tinha 63 anos

A mulher que morreu vítima de Gripe A no dia 2 de julho tinha 63 anos. Conforme a Secretaria Municipal de Saúde, ela morava no centro da cidade e tinha histórico de problemas pulmonares.

A pasta ainda informou que ela recebeu a vacina contra a H1N1. Inicialmente, foi internada aqui e depois transferida para UTI do Hospital de Santo Ângelo, onde faleceu.

No total, o número de mortes pela gripe no estado em 2019 chegou a 18.

Fonte: Rádio São Luiz